sábado, 26 de dezembro de 2009

"Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido" - Lucas 19:10


O Cavalo me mostrou....

Estava passando uma temporada na fazenda Curral-mole, em formosa Goiás. Aproximadamente uns 30 km da cidade.

Amanheceu, e como era muito cedo, estava frio, contudo havia um sol nascente com raios quentinhos, que acariciavam minha pele me aquecendo. Nunca havia prestado atenção na gostosura do sol numa manhã fria; os raios eram vivificantes, confortantes, Como o sol é bom na hora certa! Chegava a sentir minha pele absorvendo àquela energia, aquele calor carinhoso.

Às vezes quando era menor e não podia campear, ou seja, buscar as vacas faltantes para ordenha, ficava ali em cima da cerca feita de lascas de aroeira, me aquecendo ao sol, enquanto aguardava a caneca de café com o leite tirado na hora; lá mesmo sobre a cerca tomava tudo.

Mas esta época de ficar em cima da cerca, tomando sol e aguardando uma caneca de café com leite havia passado. Agora após alguns anos minha missão era ajudar e naquele dia faltaram algumas vacas leiteiras e fui encarregado de procurá-las no pasto.

Peguei o cavalo no pastinho, que sempre tem em qualquer fazenda, ao lado da sede e parti em busca das vacas rebeldes. Procurei nos lugares mais fáceis onde provavelmente estariam, e nada! Fui pelos mangueirais antigos, por trás do morro, ao lado da cerca de pedra, que separava nossa fazenda da de um outro vizinho. Muro de pedra, talvez erguido por escravos ou por peões, parece-me que muito antigamente não tinha arame para separar as fazendas e a solução era fazer cerca de pedra ou madeira.

Estive em todos os lugares onde poderiam estar e nada.

Então olhei por trás dos mangueirais onde havia um córrego e percebi que havia uma trilha entrando em uma capoeira. Pensei devem estar ali! E lá fui eu; Adentrei-me à capoeira e vasculhei-a por todo lado. Tudo era igual dentro da capoeira, andei por todos os trilhos que havia e não encontrei uma vaca sequer!

Pensei! Não estão é aqui e já hora de sair desta capoeira e ver se estas vacas não chegaram no curral por outro caminho, ou se fugiram para outro pasto!

Fustiguei o cavalo determinando para ele qual era o caminho a seguir para sair da capoeira. Estava demorando um pouco para conseguir encontrar o córrego por onde tinha entrado na capoeira. Continuei assim por algum tempo e não achava a saída. Às vezes chegava num determinado lugar o caminho se dividia em dois trilhos e eu forçava o cavalo a ir por onde eu pensava que era certo, mesmo sentindo que ele queria ir pelo outro trilho.

Continuei na minha busca por muito tempo. Já estava dando uns safanões no cavalo e brigando com mesmo, pois ele teimava em certos momentos em não seguir o caminho que pela rédea eu comandava.

Chegou um momento que percebi que estava perdido! Puxa! Eu não estava conseguindo sair daquela capoeira ali do lado do córrego e ao lado dos mangueirais? Não, não é possível vou achar a saída! Em vão; não dava nem para ver para que lado estava o sol! E mesmo que desse, acho que não saberia me orientar. Procurei andar em linha reta para chegar ao córrego; que nada! caminho algum levava ao córrego.

Comecei a entrar em desespero! Briguei mais algumas vezes com o cavalo que não estava querendo seguir a trilha que eu indicava... Depois de tentar tudo, chegaram as lágrimas comum nas crianças... Eu estava realmente perdido! Precisava de ajuda. Onde encontrá-la? O que fazer? Como sairia eu daquela maldita capoeira?

Novamente o cavalo queria me desobedecer, dei-lhe umas chicotadas, pois ele queria ir para o outro lado!

O que?

Porque ele está querendo ir por outro caminho?

Puxa! eu estou perdido mesmo! Então não custa nada!

Vou deixar este cavalo idiota ir por onde ele quer...

Vá!

Soltei as rédeas e deixei o cavalo escolher o caminho. Foram alguns momentos... Não sei precisar quanto .. Logo apareceram o córrego e a trilha por onde eu tinha entrado..O CAVALO SABIA MAIS DO QUE EU.

Aprendi que quando você está perdido e a cavalo ; solte as rédeas que ele te leva de volta para casa.

Aprendi também que "Não podemos orientar o vento, mas podemos ajustar a vela."

Vivendo e aprendendo

Deus estava ali com aquele animal para me mostrar o caminho de volta para casa!

Lição:

Certa vez, durante um estudo bíblico, meu amigo Eduardo me disse: “As pessoas estão sem o norte”. São pessoas que vivem no mundo sem saber para onde estão indo, são levadas por qualquer vento; são como marinheiros no mar sem uma bússola, levados pelo vento.

Estão perdidos.

JESUS DISSE:

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida” – “Ninguém vai ao Pai senão por mim” –

“Porque o Filho do Homem veio salvar o que estava perdido.”

A Palavra e as promessas de Deus, são o nosso norte.

domingo, 20 de dezembro de 2009

E O Cavalo disparou....



O Cavalo disparou.....

“A vida faz de nós o que quer, e tudo que conseguimos é nos sustentar da melhor maneira possível em meio aos solavancos” – Gordon Levingston

Eram meados de 1963/1964 – Formosa/GO .

O cavalo era muito ágil e puxava a carroça com agilidade e força. Atendia os comandos de rédea imediatamente. Ao chicote nem se fala! Ao estalido do mesmo o pequeno potrinho voava puxando aquela carroça de pneus finos e molas; era uma carroça nova, com assentos nas laterais logo acima das rodas; tinha a cor verde. Quando queríamos colocávamos um banco atravessando o meio preso nas grades laterais , no sentido dos eixos. Era um excelente meio de transporte, e ainda mais , ótimo carro para um menino leiteiro se exibir pelas ruas da minha cidade!

Muitas vezes me pararam perguntando se eu queria Cr$ 20.0000,00(vinte mil cruzeiros) pelo animal , pois passava com aquele lindo potrinho puxando velozmente a minha carroça em frente a rodoviária da cidade, onde as charretes-táxis ficavam estacionadas aguardando os passageiros que chegavam nas jardineiras que agora começavam a chamar de ônibus .

Este potrinho ainda não era bem manso, ficava às vezes muito agitado e tinha que ter força de mão e destreza para controlá-lo e evitar acidentes.

Lembro-me de certo dia, depois de entregar o leite pelas ruas da cidade , fui à chácara onde ficava o gado, ajudei a dar a ração, apartei (separei os bezerros das vacas), coloquei-os em pastos separados, pois a partir das 17:00 horas de cada dia os bezerros não mamavam mais, para que no outro dia bem cedo fosse feita uma farta ordenha.

Após este trabalho voltava para casa de meus pais na cidade, perto da qual tinha um pastinho dormitório para os cavalos que seriam usados no trabalho logo cedo no dia seguinte.

Numa destas, após um dia de trabalho, todo suado, o potrinho estava ansioso para beber água, pastar e descansar naquele pastinho dormitório, no meio do qual passava um regato de águas cristalinas e não poluídas.

Cheguei em casa, onde deixaria a carroça, desatrelei-o, ele estava ansioso, mal podendo esperar a hora de ir para o pastinho, mal imaginava eu o que aconteceria!

Deixei o potrinho em pelo, tirei o freio deixando-o só de cabresto. Montei no animalzinho, em pêlo, suado, escorregadio e espoleta. Mal acabei de montar ele saiu em disparada! Tentei pará-lo usando o cabresto, em vão; o chão de cascalho batido pelo passar dos carros, estava coberto de pedrinhas, tornando uma derrapagem ou escorregão muito fácil. Na primeira curva a direita, penso que escapei porque ele ainda não estava desenvolvendo a velocidade que ansiava.

Depois veio uma ladeira bem reta de mais ou menos uns quinhentos metros, pela qual ele voava pegando embalo para subir os outros quinhentos metros apostos a decida, que de passagem tinha um ponte entre a descida e a subida.

O pânico tomou conta de mim, pois após aquela subida havia uma curva de 90 graus a direita, com todo aquele cascalho batido, coberto com aquela farinha de pedregulhos solta na superfície. Pensei é ali que vou me esfolar todo! Há se sair vivo desta! com certeza o bichinho derraparia naquela curva fatal!!

Pensei !

Bom! É curva! ele vai diminuir a velocidade!

Em vão! ele corria mais velozmente, sem se preocupar com o cascalho solto da curva... para ele, tudo eram nuvens.... afinal ele estava indo para o paraíso, que era o sonhado pastinho com relva verdinha e água cristalinas...E eu! Indo para o terror de uma curva fatal... terrível... tentei fazer com que ele diminuísse a velocidade puxando o cabresto e dando comando verbais de calma; Inútil! ele estava na sua velocidade máxima e a curva chegou.... Segurei-me na crina com todas forças e aderi meu corpo ao pelo suado e escorregadio, preparei –me para a curva acompanhando o veloz guinar do animal, inclinando-me levemente para a direita. Pelo que percebi ele não diminuiu a velocidade e nem derrapou, venceu aquela curva como se fosse uma curva feita por um balão de festa quando escapa se esvaziando e parou na frente da porteira do ansiado pastinho, paraíso!

Pensei! Este percurso nestas condições! jamais!

Abri a porteira, com as mãos e pernas tremendo; soltei-o, entrou no pasto, todo se sacudindo e feliz; afinal adentrara no sonhado paraíso!

Penso que foi um dos meus maiores sustos...

Susto! Tudo acontece de repente. Quando da juventude não percebemos os riscos que corremos em atitudes corriqueiras. Eu não sabia que cavalos recém amansados tinham este costume de disparar.

" Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia, pois em ti procuro segurança! Na sombra das tuas asas eu encontro proteção até que passe o perigo." Salmo 57:1

Francisco Alberto



segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Passa rápido....



Antônio Carlos Costa


Com 20 anos de idade meus olhos foram abertos para a - inacreditavelmente dura - realidade da vida. Naquela época, lembro-me muito bem, passava o dia inteiro na praia - das 6h às 18h - chegava em casa, almoçava-jantava, saía à rua para encontrar os inesquecíveis Rogério, Chicre e Baiano, que compunham um grupo enorme de uma rapaziada da era pré-internet, que vivia para o mar e os seus grandes amores. Deitava no sofá da sala e sonhava - ao som de Triumvirat, Emerson, Lake and Palmer, Renassance - com ilhas paradisíacas, ondas nunca surfadas, amores arrebatadores com gosto da água salgada do mar e pele queimada de sol.

Meu pai era um policial duro (tanto de grana, quanto no trato) e não me dava moleza. Pouco dinheiro, mas muito sucesso com as mulheres, saúde para esbanjar (conseguia ficar 5 horas dentro d'água, sem problema), amigos engraçadíssimos e acesso livre e gratuito ao mar. O cenário só não era perfeito porque naquela época o Botafogo estava em baixa (eu sei, não só naquela época...).

Porém, com 20 anos, tornei-me um existencialista francês sem ter lido Sartre. Senti a náusea ou a angst. Louco para viver, mas esmagado pelo caráter transitório, breve e finito da vida. Caí em desespero. Aquela vida que tanto amava era irreal.

Tornei-me cristão. Não porque ouvira algum sermão sobre o horror do inferno na vida além, mas porque experimentara o horror do inferno na vida presente. Grandes amores, mar, sol, amigos, saúde, num cenário em decomposição.

Entrei de cabeça no cristianismo. A tal ponto, que decidi anunciar sua mensagem por todo o resto da minha vida, dedicando-me de tempo integral à tarefa de ser pregador do evangelho. Virei pastor. Título que até hoje me traz desconforto, porque não me identifico com o formato que essa profissão assumiu e nem mesmo desempenho uma atividade estritamente pastoral. Eu gosto de falar da história do espancamento e morte de um ser extraordinário que se apresentou ao mundo como o Filho de Deus. Sou cristão até a medula e não me envergonho do evangelho que sustenta minha sanidade mental. Mas, não sou pastor na acepção da palavra.

O que antevi com 20 anos - todo o horror que se anunciava - uma vida sujeita à morte e a incapacidade de ilhas, mulheres, sol e mar, satisfazerem uma alma faminta por algo que não é dessa vida - hoje é experimentado por mim numa tal extensão, que não tenho palavras para descrever o espanto que experimento todos os dias.

A morte de Patrick Swayze, que acabei de tomar conhecimento através dos jornais, mostra que Pascal estava certo ao dizer: "Aposte tudo em Deus. Se você ganhar, ganhou tudo, se perder, não perdeu nada".

Estou certo de que não perdi nada e que vou ganhar tudo, ao lado de todos aqueles que morreram para o mundo a fim de estarem vivos para Deus:

"Porque o mundo passa, bem como a sua concupiscência, mas o que faz a vontade do Senhor, permanece para sempre".


***
Antônio Carlos Costa é pastor da Igreja Presbiteriana da Barra (RJ)

Nota de Genizah:
Patrick Swayze, 57 anos, morreu nessa segunda-feira (14) em decorrência das complicações de um câncer no pâncreas, descoberto em fevereiro de 2008, após impressionante deterioração de sua aparência, indicando idade muito superior a sua.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

sábado, 12 de setembro de 2009

Meus Dois Filhos

O sonolento silêncio da manhã foi quebrado pela campainha do telefone. Era meu marido ligando do hospital. "Venha rápido ao hospital! Dale sofreu um acidente de motocicleta e é grave".

Eu sempre me preocupei pelo interesse que, desde a adolescência, Dale tinha por velocidade, e fiquei mais preocupada ainda depois que ele, casado e com dois filhos, comprou uma motocicleta. Eu sabia que motocicletas eram perigosas, mas o que poderia ter acontecido tão cedo de manhã?

Meu marido e nossos dois filhos, Roy e Dale, haviam planejado se encontrar em uma lanchonete para tomarem o café da manhã juntos. Ao invés disso, estivamos todos indo para um encontro no pronto-socorro.

Fui buscar a esposa de Dale e, juntas, corremos para o hospital. Meu marido e Roy rapidamente nos explicaram o que o médico havia falado: os ferimentos de Dale eram bem graves. Logo ele teve que ser transferido, por ambulância, para outro hospital.

As horas passavam, enquanto aguardávamos pelo fim da cirurgia, mas não houve nenhuma melhora. Dois dias depois Dale for transferido para o Lar celestial para estar com seu Salvador, onde não há mais dor ou tristeza.

Foi difícil suportarmos a perda, mas estávamos gratos por sabermos que Dale pertencia ao Senhor Jesus. Podíamos nos lembrar de quando ele tinha só sete anos de idade e disse que queria se tornar um filho de Deus. Ele havia feito uma oração simples e sincera: "Querido Senhor Jesus, perdoa os meus pecados e vem morar em meu coração e em minha vida. Eu Te aceito como meu Salvador a gora. Obrigado por morrer na cruz por mim".

Tempos depois, quando ele já era um adolescente, Dale voltou a me assegurar: "Mamãe, nunca se preocupe comigo. Eu já tenho certeza do lugar para onde vou quando morrer... Já tenho tudo acertado entre eu e meu Senhor. Já tenho paz com Deus.

Agora já tínhamos um de nossos filhos no céu. Mas se o acidente de moto tivesse sido com Roy, já não teríamos certeza se ele estaria seguro com seu Salvador. Roy não tinha paz e nem queria saber de ler a Bíblia. Para ele a morte era algo que só acontecia com os mais velhos. Mesmo com o passar do tempo, ele não conseguia se conformar com a morte de seu irmão, e por isso não tinha descanso em seu coração.

A fim de ganhar algum dinheiro extra nas férias, Roy arranjou um emprego de bombeiro florestal em British Columbia. Ele era um dos primeiros a seguir para o local do incêndio. Às vezes precisava descer do helicóptero par uma corda, quando o lugar era de difícil acesso.

Planejamos passar um final de semana com Roy, mas ele ligou e nos disse que teria que trabalhar naquele período. Ficamos tristes, mas acabamos fazendo planos para irmos a outro lugar naquele dia fazia quatro anos desde a morte de Dale.

Logo que voltamos para casa, um oficial da Policia Montada Canadense veio nos trazer a noticia que nos chocou - Roy havia morrido em um acidente de helicóptero.

Nossos corações foram abalados com intensa dor, e, em nossa tristeza, voltamo-nos para Deus. Esta perda era muito maior, já que não podíamos ter certeza se Roy tinha ido encontrar-se com Dale e com seu Salvador no céu.

Então chegou Rodney, um grande amigo de Roy. Ele nos contou que havia jantado com Roy na Quinta-feira antes de sua morte. Naquela noite Roy contou-lhe que tinha acertado sua vida com o Senhor. "Não existe nenhum pecado em minha vida que não tenha sido perdoado", disse Roy ao seu amigo. E no final da conversa, Roy e Rodney haviam orado juntos.

Que maravilhosas palavras de conforto foram aquelas. Agora sabíamos que nossos dois filhos estavam no céu com o Salvador. Ainda sentimos a falta deles, mas sabemos que logo iremos nos encontrar no céu.

Esperamos que a história da morte de nossos filhos possa mostrar a você que a morte pode vir a qualquer idade, e que geralmente vem sem avisar. Se você estivesse no lugar de Dale ou Roy, será que estaria no céu agora? Se sua resposta for "Eu espero que sim", então por que não ter certeza? Você também pode ter o perdão e a certeza de que o céu será o lugar onde vai morar eternamente. "Estas coisas vos escrevi para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus" (1 João 5.13).

Tudo o que Deus quer de você é uma simples oração de fé, reconhecendo sua necessidade de perdão e aceitando a obra de Cristo na cruz por seus pecados. "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça" (1 João 1.9). Por que não dar este passo de fé agora mesmo e ter paz com Deus? "Sendo pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 5.1).

Fonte - http://www.stories.org.br/dois_ip.html

=========================

Romanos 8:1Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.

==========================


sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O Verdadeiro Pastor


Ezequiel 34: 11 a 30

11 Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei.
12 Como o pastor busca o seu rebanho, no dia em que está no meio das suas ovelhas dispersas, assim buscarei as minhas ovelhas; e livrá-las-ei de todos os lugares por onde andam espalhadas, no dia nublado e de escuridão.
13 E tirá-las-ei dos povos, e as congregarei dos países, e as trarei à sua própria terra, e as apascentarei nos montes de Israel, junto aos rios, e em todas as habitações da terra.
14 Em bons pastos as apascentarei, e nos altos montes de Israel será o seu aprisco; ali se deitarão num bom redil, e pastarão em pastos gordos nos montes de Israel.
15 Eu mesmo apascentarei as minhas ovelhas, e eu as farei repousar, diz o Senhor DEUS.
16 A perdida buscarei, e a desgarrada tornarei a trazer, e a quebrada ligarei, e a enferma fortalecerei; mas a gorda e a forte destruirei; apascentá-las-ei com juízo.

17 ¶ E quanto a vós, ó ovelhas minhas, assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu julgarei entre ovelhas e ovelhas, entre carneiros e bodes.
18 Acaso não vos basta pastar os bons pastos, senão que pisais o resto de vossos pastos aos vossos pés? E não vos basta beber as águas claras, senão que sujais o resto com os vossos pés?
19 E quanto as minhas ovelhas elas pastarão o que haveis pisado com os vossos pés, e beberão o que haveis sujado com os vossos pés.
20 Por isso o Senhor DEUS assim lhes diz: Eis que eu, eu mesmo, julgarei entre a ovelha gorda e a ovelha magra.
21 Porquanto com o lado e com o ombro dais empurrões, e com os vossos chifres escorneais todas as fracas, até que as espalhais para fora.
22 Portanto livrarei as minhas ovelhas, para que não sirvam mais de rapina, e julgarei entre ovelhas e ovelhas.
23 E suscitarei sobre elas um só pastor, e ele as apascentará; o meu servo Davi é que as apascentará; ele lhes servirá de pastor.
24 E eu, o SENHOR, lhes serei por Deus, e o meu servo Davi será príncipe no meio delas; eu, o SENHOR, o disse.
25 E farei com elas uma aliança de paz, e acabarei com as feras da terra, e habitarão em segurança no deserto, e dormirão nos bosques.
26 E delas e dos lugares ao redor do meu outeiro, farei uma bênção; e farei descer a chuva a seu tempo; chuvas de bênção serão.
27 E as árvores do campo darão o seu fruto, e a terra dará a sua novidade, e estarão seguras na sua terra; e saberão que eu sou o SENHOR, quando eu quebrar as ataduras do seu jugo e as livrar da mão dos que se serviam delas.
28 E não servirão mais de rapina aos gentios, as feras da terra nunca mais as devorarão; e habitarão seguramente, e ninguém haverá que as espante.
29 E lhes levantarei uma plantação de renome, e nunca mais serão consumidas pela fome na terra, nem mais levarão sobre si o opróbrio dos gentios.
30 Saberão, porém, que eu, o SENHOR seu Deus, estou com elas, e que elas são o meu povo, a casa de Israel, diz o Senhor DEUS.
31 Vós, pois, ó ovelhas minhas, ovelhas do meu pasto; homens sois; porém eu sou o vosso Deus, diz o Senhor DEUS.

O Falso Pastor


Na bíblia consta esta advertência contra os falsos Pastores, Veja:

Ezequiel 34:1 a 10

1 ¶ E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

2 Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza, e dize aos pastores: Assim diz o Senhor DEUS: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não devem os pastores apascentar as ovelhas?
3 COMEIS A GORDURA, E VOS VESTIS DA LÃ; MATAIS O CEVADO; MAS NÃO APASCENTAIS AS OVELHAS.
4 AS FRACAS NÃO FORTALECESTES, E A DOENTE NÃO CURASTES, E A QUEBRADA NÃO LIGASTES, E A DESGARRADA NÃO TORNASTES A TRAZER, E A PERDIDA NÃO BUSCASTES; MAS DOMINAIS SOBRE ELAS COM RIGOR E DUREZA
.

5 ASSIM SE ESPALHARAM, POR NÃO HAVER PASTOR,
e tornaram-se pasto para todas as feras do campo, porquanto se espalharam.
6 As minhas ovelhas andaram desgarradas por todos os montes, e por todo o alto outeiro; sim, as minhas ovelhas andaram espalhadas por toda a face da terra, sem haver quem perguntasse por elas, nem quem as buscasse.
7 ¶ Portanto, ó pastores, ouvi a palavra do SENHOR:
8 Vivo Eu, diz o Senhor DEUS, que, porquanto as minhas ovelhas foram entregues à rapina, e as minhas ovelhas vieram a servir de pasto a todas as feras do campo, por falta de pastor, e os meus pastores não procuraram as minhas ovelhas; e os pastores apascentaram a si mesmos, e não apascentaram as minhas ovelhas;
9 Portanto, ó pastores, ouvi a palavra do SENHOR:
10 Assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu estou contra os pastores; das suas mãos demandarei as minhas ovelhas, e eles deixarão de apascentar as ovelhas; os pastores não se apascentarão mais a si mesmos; e livrarei as minhas ovelhas da sua boca, e não lh
es servirão mais de pasto.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Você não vale nada, mas Eu gosto de você.

Na tarde deste sábado, após o almoço, resolvi descansar um pouco com minha esposa, enquanto minhas filhas brincavam com uma amiguinha em nossa casa. Nos deitamos e ficamos conversando, quando um vizinho de bairro resolveu mostrar toda a potência das caixas de som de seu carro. Lá se foi nossa paz. A "música" (entre aspas mesmo, porque não posso considerar aquilo música) que fez doer nossos tímpanos era do tipo pegajosa, que cola no cérebro e fica causando irritação. O refrão diz: "Você não vale nada, mas eu gosto de você." Não pude acreditar no que estava ouvindo. Como um ser humano pode dizer isso de outro? E como podem as pessoas considerar isso música para ser ouvida? A que nível estamos chegando?
Contendo minha indignação com a falta de respeito daqueles que nos faziam conhecer na marra seu (des)gosto musical, peguei-me pensando naquela letra e imaginei o que Deus pensa a nosso respeito. Por um lado, não valemos nada; não temos méritos que nos recomendem; somos todos pecadores carentes da graça divina.
Mas a cruz de Cristo nos atribui profundo valor. Chega a ser um paradoxo: não valemos nada, mas valemos muito. Para Deus, somos tão preciosos que Ele enviou o próprio Filho para morrer em nosso lugar. Não valemos nada, mas Ele gosta de nós. Ele nos ama. "Com amor eterno Eu te amei", diz o Senhor, "por isso, com benignidade te atraí" (Jr 31:3).

Para fugir do barulho, decidimos ir passear numa praça. Quando passei pelos moços, orei por eles em pensamento, e pensei:
não valemos nada, mas Deus nos ama mesmo assim.

Michelson BorgesFonte: http://criacionista.blogspot.com/2009/08/voce-nao-vale-nada-mas-eu-gosto-de-voce.html

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

COMO NASCE UM PARADIGMA

Muitos conceitos que defendemos com unhas e dentes podem ser falsos. Sabia?!
Leia o exemplo e entenda.
=========================
Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro puseram uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas.
Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros enchiam-no de pancadas.
Passado mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.
Então, os cientistas substituíram um dos cinco macacos. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo rapidamente retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada.
Um segundo foi substituído, e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, da surra ao novato.
Um terceiro foi trocado, e repetiu-se o fato. Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído.
Os cientistas ficaram, então, com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse chegar às bananas.
Se fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:
"Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui..."
Você não deve perder a oportunidade de passar esta história para seus amigos, para que, vez por outra, questionem-se porque estão batendo, aceitando e repassando conceitos sem questionar: "Por que?" ...
A inteligência e a capacidade raciocínio nos diferem dos outros animais.
Faça bom uso dela.

"É MAIS FÁCIL DESINTEGRAR UM ÁTOMO DO QUE UM PRECONCEITO".

Autor: Albert Einstein

quinta-feira, 23 de julho de 2009

A EXCLUSIVIDADE DE JESUS CRISTO

UM BELO ARTIGO DE NORMAN GEISLER


Os cristãos ortodoxos acreditam que Jesus é o Unigênito Filho de Deus em carne humana. Mas, os incrédulos, alguns dos quais nem acreditam que Ele tenha existido, não acham que Jesus tenha sido, realmente, um homem sábio ou, principalmente, um homem bom. Outros, como os muçulmanos, acham que Jesus foi um profeta entre outros profetas. O Hinduísmo retrata Jesus como um entre os muitos grandes gurus. Os cristãos liberais e muitos outros consideram Cristo como um homem bom e um grande exemplo moral.

Em seu ensaio “Why I Am Not a Christian” (Por que Eu Não Sou um Cristão), o agnóstico Bertrand Russell escreveu: “Historicamente, é muito duvidoso que Cristo tenha existido e nada sabemos sobre ele”. Quanto ao caráter de Cristo, ele disse: “Não consigo achar, quer seja na sabedoria ou na virtude, que Cristo esteja no mesmo patamar de outras pessoas conhecidas na história. Acho que devo colocar Buda e Sócrates acima dele, nestes aspectos.” (Livro supracitado).

Divindade e Humanidade

O Cristianismo é único entre as religiões mundiais e a verdadeira exclusividade de Cristo é o coração do Cristianismo. Esta verdade está embasada, principalmente, nos documentos do Novo Testamento, os quais têm comprovado ser autênticos em todos os sentidos. Os registros do Novo Testamento, principalmente os Evangelhos, são os mais confiáveis do mundo antigo. Nestes documentos, aprendemos que numerosos fatos relacionados a Cristo são absolutamente únicos.

Jesus foi único no sentido de que somente Ele, entre todos os que viveram, foi tanto Deus como Homem. O Credo de Nicéia (325) declara a crença uniforme de todo o Cristianismo ortodoxo de que Jesus Cristo foi verdadeiramente Deus e verdadeiramente Homem numa só Pessoa. Todas as heresias relativas a Cristo negam uma destas duas proposições. Esta afirmação simplesmente O torna único e O coloca acima de todos os outros líderes religiosos e pessoas que já existiram, podendo ser comprovada com evidências factuais. Algumas dessas evidências são vistas em outros aspectos da exclusividade de Cristo.

A Natureza Sobrenatural de Cristo

Exclusivo nas Profecias Messiânicas - Jesus viveu uma existência repleta de milagres e sobrenaturalmente poderosa, desde a Sua concepção até a Sua ascensão. Séculos antes do Seu nascimento, Ele foi anunciado pela profecia sobrenatural.

O Velho Testamento, o qual até mesmo o céptico mais acerbo reconhece ter existido antes de Cristo, prediz onde (Daniel 9:26 e Miquéias 5:2) e como (Isaías 7:14) Jesus chegaria ao mundo.

Ele nasceria de uma mulher (Gênesis 3:15); da linhagem de Sete, filho de Adão (Gênesis 4:26); através de Sem, filho de Noé (Gênesis 9:26-27) e de Abraão (Gênesis 12:3; 15:5); da tribo de Judá (Gênesis 49:10); seria Filho de Davi (2 Samuel 7:12-s). O Velho Testamento predisse ainda que Cristo iria morrer pelos nossos pecados (Salmo 22; Isaías 53; Daniel 9:26; Zacarias 12:10) e que Ele ressuscitaria dos mortos (Salmos 2:7; 16:10).

Todas estas profecias sobrenaturais foram cumpridas exclusivamente em Jesus Cristo. Isto não aconteceu com nenhum outro líder religioso nem com outras pessoas que tenham existido, inclusive Maomé.

Exclusivo na Concepção - Cristo não apenas foi sobrenatural e antecipadamente anunciado; Ele foi também miraculosamente concebido. Quando anuncia Sua concepção virginal, Mateus 1:22-23 aponta a profecia de Isaías (Isaías 7:14); Lucas, um médico, registra esta miraculosa concepção da vida humana (Lucas 1:26-s); Paulo se refere à mesma em Gálatas 4:4. De todas as concepções humanas, a de Jesus permanece exclusiva e miraculosa.

Exclusivo na Vida - Desde o Seu primeiro milagre em Caná da Galiléia (João 2:11), o ministério de Jesus foi marcado por Seus milagres (João 3:2; Atos 2:22. Não foram casos de moléstias ilusórias nem de casos explicáveis no campo natural. Foram curas exclusivas, sendo imediatas e sempre bem sucedidas, sem recaídas conhecidas e curas de doenças incuráveis, conforme a Medicina, tais como a do cego de nascença (João 9). Jesus ressuscitou da morte algumas pessoas, inclusive Lázaro, cujo corpo já se encontrava em estado de decomposição (João 11:39).

Jesus transformou água em vinho (João 2:7-11); andou sobre as águas (Mateus 14:25); multiplicou os pães (João 6:11), expeliu demônios (Marcos 3:10); curou toda sorte de enfermidades (Mateus 9:35), inclusive a lepra (Marcos 1:40-42); e até mesmo levantou mortos para a vida, em várias ocasiões (Marcos 5:35-42; Lucas 7:11-15; João 11:43-44). Quando Lhe indagaram se era o Messias, Ele usou os Seus milagres como evidência, a fim de apoiar Sua afirmação: “... Ide, e anunciai a João as coisas que ouvis e vedes: os cegos vêem, e os coxos andam; os leprosos são limpos, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho”. (Mateus 11:4-5). Este derramamento de milagres fora profetizado séculos antes pelos profetas, como um sinal da vida do Messias (Isaías 35:5-6). Tanto que Nicodemos disse: “Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele” (João 3:2).

Exclusivo na Morte - Os eventos que se referem à morte de Cristo foram miraculosos. Isto inclui as trevas entre o meio-dia e 3 horas da tarde (Marcos 15:33) e o terremoto que abriu os túmulos e rasgou o véu do Templo (Mateus 27:51-54). A maneira pela qual Ele sofreu a extenuante tortura da crucificação foi miraculosa. A atitude que Ele manteve em relação aos que Dele escarneciam, e aos que O executavam, foi miraculosa, dizendo: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). A maneira pela qual Ele entregou Sua vida foi miraculosa, pois Ele havia dito: “Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai”. No momento de Sua partida, Ele não foi vencido pela morte, mas voluntariamente entregou o Seu espírito, quando disse: “Está consumado! (João 19:30).

Exclusivo na Ressurreição - O milagre que coroou a missão de Jesus na Terra foi o da Sua Ressurreição. Esta não apenas havia sido predita no Velho Testamento (Salmos 2 e 16), como pelo próprio Jesus, desde o início do Seu ministério. Ele disse: “Derribai este templo, e em três dias o levantarei”. (João 2:19-21) (Ver Mateus 12:40-42; 17:9). Jesus demonstrou a veracidade de Sua Ressurreição em doze aparições, durante mais de 40 dias, a mais de 500 pessoas.

Exclusivo na Ascensão - Exatamente como a Sua entrada neste mundo, Sua partida também foi miraculosa, após ter comissionado os Seus discípulos (Atos 1:10). Ao contrário da visão de alguns, não se trata de uma parábola, mas de uma Ascensão literal ao céu, de onde Ele voltará, no mesmo corpo literal, a fim de reinar neste mundo (Atos 1:11; Apocalipse 1:7; 19:20). Os grandes credos cristãos enfatizam claramente a miraculosa Ascensão corporal de Cristo.

Exclusivo na Impecabilidade - Alguns dos inimigos de Jesus apresentaram falsas acusações contra Ele, mas nada puderam comprovar e o veredicto de Pilatos foi: “Não acho culpa alguma neste homem” (Lucas 23:4). Um dos soldados na cruz disse: “... este nenhum mal fez”. (Lucas 23:41).

Sobre o que os mais íntimos de Jesus pensavam a respeito do Seu caráter, Hebreus diz: “... Em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hebreus 4:15). E em João 8:46, Jesus indaga: “Quem dentre vós me convence de pecado?” Mas ninguém foi capaz de achá-Lo culpado de coisa alguma. Desse modo, o impecável caráter de Cristo dá um duplo testemunho à veracidade de Sua afirmação. Sua impecabilidade foi exclusiva.

O Caráter de Jesus é Único - O caráter de Cristo foi único em todas as maneiras. Ele manifestou as maiores virtudes a um grau perfeito. Isto combina com a maneira pela qual Ele Se opôs aos atributos contrários.

Exemplificando as Virtudes - Bertrand Russell, que achava ter encontrado brechas no caráter de Cristo, confessou: “Do que o mundo carece é de amor, de amor cristão e de compaixão”. Pois a crença que a maioria reconhece é a de que Cristo foi a perfeita manifestação da virtude do amor.

Sua submissão voluntária ao ignominioso sofrimento e morte pela crucificação, enquanto mantinha amor e perdão aos que O matavam, é a prova desta virtude (Lucas 23:34, 43). Somente Ele viveu perfeitamente o que havia ensinado no Sermão do Monte (Mateus 5:7). Ele jamais Se voltava contra os Seus inimigos mas, em vez disso, perdoava-os. Ele censurou os discípulos pelo mau uso da espada (Mateus 20:52) e curou, miraculosamente, a orelha amputada de um dos que foram prendê-lo, a fim de conduzi-Lo à morte (Lucas 22:50).

Jesus foi o exemplo perfeito de paciência, bondade e compaixão. Ele Se compadeceu das multidões (Mateus 9:36), ao ponto de ter chorado sobre Jerusalém (Mateus 23:37). Mesmo tendo condenado (em termos claros) os fariseus (Mateus 23), Ele não Se negou a receber um dos que demonstraram interesse (João 3).

Combinando Qualidades Aparentemente Opostas - Uma das exclusividades de Cristo é que Ele combinava qualidades pessoais que em ninguém mais poderiam ser encontradas. Ele foi perfeito na humildade, ao ponto de lavar os pés dos Seus discípulos (João 15). Mas, ao mesmo tempo, afirmou Sua Divindade, conforme João 10:30: “Eu e o Pai somos um”. Em João 8:58, Ele diz: “Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou”, confirmando Êxodo 3:14: “Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós”. Sua afirmação: “... Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mateus 11:29) parece arrogante; contudo, Ele a confirmou entre as criancinhas (Mateus 18). Ele era tão severo ao ponto de virar as mesas dos cambistas, no pátio do Templo, empunhando um azorrague de cordas, a fim de expulsar os animais (João 2). Ele era conhecido pela virtude da bondade, mesmo sendo severo com os hipócritas, que desviavam os inocentes (Mateus 23).

Vida e Ensino - Conforme o próprio Jesus declarou, a substância dos Seus ensinos estava no Velho Testamento (Mateus 15:17-18). Ele condenou as tradições inúteis, bem como as interpretações errôneas do Velho Testamento (Mateus 5:21-s; 15:3-5). Mesmo que a essência dos Seus ensinos não fosse nova, a maneira pela qual Ele ensinava era única. No Sermão do Monte, Ele empregou um novo método de ensino.

As vívidas parábolas, tais como “O Bom Samaritano” (Lucas 10); “O Filho Pródigo” (Lucas 15) e “A Ovelha Perdida” (Lucas 15:4-f) são obras primas da comunicação. As parábolas permanecem no âmago do ensino de Jesus. Quando aplicava o estilo de vida das pessoas, a fim de ilustrar as verdades que Ele queria transmitir, Jesus comunicava essas verdades, refutando o erro. Além disso, falando em parábolas, Ele evitava “atirar pérolas aos porcos”, ao mesmo tempo esclarecendo os que queriam aprender (os de casa). Mesmo que o uso de alegorias e parábolas não fosse uma exclusividade, a maneira pela qual Ele as empregava o era. Ele usou uma nova atitude, quando trouxe a arte de ensinar o eterno mistério em termos de experiências do dia-a-dia. As leis do ensino identificadas pelos pedagogos modernos (Shafer, Seven Laws) foram perfeitamente praticadas nos ensinos de Jesus. A maneira pela qual Jesus ensinava era única. Os intelectuais judeus admitiam: “Nunca homem algum falou assim como este homem” (João 7:46). Quando Ele ensinava em parábolas, era rodeado pelas multidões (Mateus 13:34). Quando era um garoto, impressionou até mesmo os rabinos, no Templo (Lucas 2:47). Mais tarde, Ele confundiu os que tentavam apanhá-Lo numa armadilha (Mateus 22:46).

Cristo é Superior - Jesus Cristo foi exclusivo de todas as maneiras. Desde Sua completa divindade até Sua completa humanidade; desde Sua miraculosa concepção até Sua sobrenatural ressurreição; desde o Seu impecável caráter até o Seu incomparável ensino, Jesus permanece acima de todos os líderes religiosos e morais.

Cristo é Superior a Moisés - Como um perfeito judeu, Jesus não tinha argumentação contra Moisés, o profeta que entregou a lei judaica e libertou os israelitas da escravidão no Egito para a liberdade, numa nação independente. Moisés e Jesus foram profetas do mesmo Deus e Jesus afirmou que não viera para abolir a lei (encontrada nos escritos de Moisés), mas para cumpri-la (Mateus 5:17). Jesus quis dizer que as palavras de Moisés são as palavras de Deus (Mateus 19:4-5; Lucas 24:25-27); contudo, em muitos aspectos, Ele foi superior a Moisés.

Cristo foi um profeta superior a Moisés - Em Deuteronômio 18:15-19, Moisés predisse que Deus levantaria um profeta judeu com uma mensagem especial e qualquer pessoa que não acreditasse nesse profeta seria julgado por Deus. Esta passagem tem sido interpretada como se referindo ao Messias. Gênesis 3:15 também é entendido por muitos como se referindo a Jesus, como a semente da mulher, que esmagaria a cabeça da serpente.

A Revelação de Cristo é superior à de Moisés - “Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” (João 1:17). Conquanto Moisés tivesse estabelecido as estruturas morais e sociais para guiar a nação, a lei não podia salvar pessoa alguma da penalidade do pecado, que é a morte (Romanos 6:23). Conforme Paulo diz: “... Nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Romanos 3:20), os pecados que a lei tornou conhecidos seriam “justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus” (Romanos 3:24). A revelação de Cristo é construída sobre o fundamento de Moisés, no sentido de que Ele veio solucionar os problemas dos quais a lei nos tornou conscientes.

A posição de Cristo é Superior à de Moisés - Moisés foi o maior entre os profetas do Velho Testamento. Conforme diz a Epístola aos Hebreus: “... toda a casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus. E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim” (Hebreus 3:5-6). Enquanto Moisés serviu a Deus, Cristo foi declarado Filho de Deus, com o direito de governar sobre os servos.

Os Milagres de Cristo São Superiores aos de Moisés - Moisés realizou grandes milagres, porém os milagres de Cristo foram superiores. Moisés levantou a serpente de bronze para curar os que foram mordidos pelas serpentes e olharam para ela, mas aqui ele apenas seguia instruções divinas. Ele jamais fez os cegos enxergarem nem os surdos ouvirem. Também nada existe no ministério de Moisés que possa se comparar à ressurreição de Lázaro e à de Cristo.

As afirmações de Cristo são superiores às de Moisés - Moisés nunca afirmou que era Deus e nada fez, além de cumprir o seu ofício de profeta. Jesus afirmou ser Deus e predisse a Sua própria ressurreição para comprová-lo.

Cristo é Superior a Maomé - Maomé, o fundador do Islã, estava de acordo com Moisés e com Jesus ao dizer que existe um só Deus, o qual criou o universo e existe à parte do universo. Existe uma considerável concordância a respeito dos eventos dos primeiros 16 capítulos de Gênesis, sobre o fato de Agar ter sido expulsa da casa de Abraão. Depois disso, a Bíblia focaliza Isaque, enquanto o Islã focaliza o que aconteceu a Ismael, seu antepassado. Os ensinos de Maomé podem ser resumidos em cinco doutrinas:

1. - Alá é o único Deus.

2. - Alá enviou muitos profetas, inclusive Moisés e Jesus, porém Maomé, o último deles, é o maior.

3. - O Corão é o supremo livro religioso, tendo prioridade sobre a Lei, os Salmos e os Injil (Evangelhos) de Jesus.

4. - Existem muitos seres intermediários (anjos) entre Deus e nós, alguns deles sendo bons e outros maus.

5. - As obras de cada ser humano serão pesadas, a fim de se determinar quem irá para o céu ou para o inferno, na ressurreição.

Os meios de salvação incluem: recitar várias vezes ao dia a Shahadah (“Não existe outro Deus além de Alá; e Maomé é o seu profeta”); orar cinco vezes ao dia; jejuar durante o mês [do Ramadã], dar esmolas e fazer pelo menos uma peregrinação a Meca.

Cristo ofereceu uma mensagem superior - Jesus fez afirmações superiores às de Maomé. Jesus afirmou ser Deus. Enquanto isso, Maomé disse que era apenas um homem e um profeta. Ora, se Jesus não é Deus, certamente Ele também não foi um profeta de Deus [mas um mentiroso, um megalomaníaco]. Contudo, Jesus ofereceu uma autenticação superior às Suas afirmações. Ele realizou muitos milagres, enquanto Maomé não realizou milagre algum. Maomé admitiu - no Corão - que Jesus realizou muitos milagres. Somente Jesus morreu e ressurgiu dos mortos.

Cristo oferece um melhor meio de salvação - Ao contrário do deus do Islã, o Deus da Bíblia chegou até nós, tendo enviado o Seu Filho à Terra, para morrer pelos nossos pecados. Maomé não ofereceu qualquer garantia de salvação eterna; ele apenas direcionou os seus seguidores a que trabalhassem, a fim de conseguirem o favor de Alá. Cristo nos proveu tudo que necessitamos para nossa chegada ao céu, através de Sua morte e ressurreição: “Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito” (1 Pedro 3:18).

Cristo ofereceu um superior modelo de vida - Maomé gastou os últimos dez anos de sua vida em guerras. Sendo um polígamo, ele excedeu até mesmo ao número de esposas por ele prescrito em sua religião (quatro). Ele violou sua própria lei, quando atacou as caravanas que se dirigiam a Meca, algumas delas em peregrinação. Ele se preocupou em retaliações e vingança, contrariando seu próprio ensino.

Jesus é superior aos gurus indianos - No Hinduísmo, o guru é um mestre.
As escrituras hinduístas não podem ser entendidas pela simples leitura. Elas devem ser interpretadas e aprendidas de um guru. Esses homens “santos” são adorados, até mesmo depois de sua morte, como sendo supostas encarnações dos deuses.

O que eles ensinam é que os humanos precisam de libertação, através de intermináveis ciclos da reencarnação (sansara), a qual é trazida pelo carma, ou seja, as obras de todas as palavras, as ações no presente e de todas as vidas passadas. A libertação (moksha) é conseguida quando o indivíduo expande o seu ser e consciência até um nível infinito e descobre que sua atman (alma) é a mesma com Brama (o ser absoluto, do qual provém toda a multiplicidade). Em outras palavras, todo hindu precisa praticar a bondade pessoal. Esta realização pode ser alcançada através da Janna Yoga - a salvação pelo conhecimento dos escritos antigos e da meditação interior; da Bhakti Yoga, a salvação através da adoração a um entre os milhões de divindades; a Karma Yoga - a salvação pelas obras, como cerimônias, sacrifícios, jejuns e peregrinações, os quais devem ser feitos sem visar recompensa alguma. Cada um destes métodos, até certo ponto, inclui a Raja Yoga, uma técnica de meditação envolvendo o controle sobre o corpo, a respiração e os pensamentos. O Hinduísmo, conforme é realmente praticado, consiste amplamente de superstição, de lendas sobre os deuses, de práticas ocultistas e adoração aos demônios.

Cristo ensina uma visão superior do mundo - Jesus ensinou uma visão teísta do mundo. Mas, o Panteísmo, a realização da divindade, é o âmago do Hinduísmo.

O ensino de Cristo é moralmente superior - O Hinduísmo ortodoxo insiste em que se deve deixar que as pessoas sofram, porque este é o seu destino determinado pela carma. Jesus disse que devemos “amar ao próximo como a nós mesmos” e na 1 João 3:17, lemos: “Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus?” Também muitos, senão a maioria dos gurus, usam sua privilegiada posição com o objetivo de explorar os seguidores financeira e sexualmente. O Bagwan Sri Rajneesh acumulou dúzias de Rolls Royces à custa da ingenuidade dos seus seguidores. Já os Beatles se decepcionaram com o Maharish Mahesh Yogi, quando descobriram, em uma de suas festas, que ele estava mais interessado no corpo das mulheres, do que em seus espíritos. Foi então que eles admitiram: “Cometemos um erro!” Até mesmo o respeitado guru Mahatma Gandhi costumava dormir com mulheres jovens, além de sua esposa.

Jesus oferece um superior caminho de iluminação - Enquanto os gurus são necessários para se entenderem os sagrados escritos hinduístas do Bhagava Gita, e dos Upanishads, não existe qualquer verdade esotérica ou oculta na Bíblia, além da compreensão normal, a qual precise ser explicada. A meditação cristã não exige esforço algum no sentido de esvaziar a mente, mas, em vez disso, ela provê a mente com a verdade dos princípios bíblicos (Salmo 1). A meditação interior equivale a descascar uma cebola; vai-se retirando capa a capa e, quando se chega ao miolo, descobre-se que ali nada existe. A meditação cristã começa com substância e esclarece o significado, até chegar ao âmago da alma.

Cristo ensina um melhor caminho de salvação - O hindu se extravia no ciclo cármico da reencarnação, até chegar ao moksha, sendo obrigado a construir o caminho somente através desse labirinto. Jesus disse que seríamos salvos pela fé Nele (Efésios 2:8-9 e Tito 3:5-7) e que podemos saber que a salvação é garantida (Efésios 1:13-14 e 1 João 5:13).

Cristo é superior a Buda - Siddharta Gautama (ou Buda, que significa Iluminado) é inferior a Cristo. O Budismo começou como uma reforma dentro do Hinduísmo, o qual havia se transformado num sistema de especulação e superstição. Para corrigir tal coisa, Gautama rejeitou os rituais e o ocultismo, desenvolvendo uma religião essencialmente ateísta (embora as formas posteriores do Budismo tenham retornado aos deuses hinduístas). Suas crenças básicas são resumidas nas Quatro Verdades Nobres:

1. - A vida é sofrimento.

2. - O sofrimento é causado pelo desejo de poder e prosperidade.

3. - O sofrimento pode ser eliminado pela eliminação dos desejos.

4. - O desejo pode ser eliminado pelo caminho dos Oito Passos.

O caminho óctuplo é tanto um sistema de educação como de preceitos morais do Budismo. Ele inclui: 1) conhecimento correto; 2) instruções corretas; 3) linguagem correta; 4) conduta correta (ou seja, não matar, não beber, não roubar, não mentir, não adulterar); 5) ocupação correta; 6) esforço correto; 7) mente correta (negação do ego); 8) meditação correta (Raja Yoga).

O objetivo de todos os budistas não é o céu, nem estar com Deus, visto como não existe um Deus no ensino de Gautama. Em vez disso, os budistas buscam o Nirvana, a eliminação de todo sofrimento, dos desejos e ilusão da existência individual. Conquanto um ramo liberal do Budismo (Mahayana Budhism) tenha desafiado Gautama como um salvador, o Theravada
Bhudism continua próximo dos ensinos de Gautama, dizendo que ele jamais afirmou sua divindade. Quanto a ser salvador, dizem que as últimas palavras de Buda foram:
“Buda apenas apontou o caminho; opere você mesmo sua salvação com diligência”. Como variante do Hinduísmo, o Budismo está sujeito a todas as críticas acima, o que demonstra que o ensino de Jesus é superior. Além disso...

Cristo preenche a vida com mais esperança - O ensino de Jesus é superior ao de Buda, pois Jesus ensinou esperança nesta vida, enquanto o Budismo só enxerga sofrimento, dizendo que a existência individual precisa ser erradicada. Jesus ensinou que a vida é um dom de Deus, o qual deve ser usado (João 10:10); que o indivíduo deve ser respeitado (Mateus 5:22) e ainda ofereceu esperança para a vida futura (João 14:1-6).

Cristo oferece um melhor caminho de salvação - O Budismo ensina a reencarnação como meio de salvação. Contudo, nesta forma, o ego (ou individualidade da alma) será erradicado no final da vida. Nesse caso, mesmo vivendo nela, você não é você como indivíduo, mas alguém, cuja esperança é o Nirvana. Jesus trouxe esperança a todo homem e mulher, como indivíduo. (João 14:3) e disse ao ladrão da cruz: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (Lucas 23:43).

Jesus é um Cristo melhor - Jesus afirmou e comprovou que era Deus em carne humana. Enquanto isso, Buda foi apenas um homem, o qual morreu e jamais ressuscitou. Jesus ressurgiu dos mortos, levantando-Se do túmulo que aprisionava o Seu corpo. Gautama apenas quis trazer “iluminação” aos outros, a fim de que pudessem chegar ao Nirvana, onde toda existência individual é anulada.

Jesus é superior a Sócrates - Embora Sócrates jamais tenha fundado uma religião, ele conseguiu atrair muitos seguidores. Sócrates jamais escreveu coisa alguma, mas Platão, seu discípulo, escreveu muito sobre ele, embora tais idéias sejam apenas de Platão, apresentadas como pensamento de Sócrates. Platão apresenta Sócrates como um homem convencido de que Deus o havia nomeado para a tarefa de promover a verdade e a bondade. O vício, em sua opinião, era apenas ignorância, enquanto o conhecimento conduzia à virtude. Ele merece o crédito de ter sido a primeira pessoa a reconhecer a necessidade de uma proposta sistemática para descobrir a verdade, embora o próprio sistema fosse, finalmente, formulado por Aristóteles, discípulo de Platão.

Como Cristo, Sócrates foi condenado à morte com base em falsas acusações das autoridades, que se sentiram ameaçadas com os seus ensinos. Ele poderia ter sido perdoado, se não tivesse insistido em levar os seus acusadores e juízes a examinarem suas declarações e vidas, o que eles não queriam fazer. Sócrates estava contente ao morrer, sabendo que havia cumprido sua missão até o final e que a morte, quer fosse um sono sem sonhos ou a maravilhosa companhia de um grande homem, seria uma coisa boa...

Cristo tem uma base superior para a verdade - Como Sócrates, Cristo costumava usar perguntas para levar os ouvintes a se examinarem; porém, Sua base para conhecer a verdade sobre os seres humanos e Deus estava no fato de que Ele mesmo era o Deus Onisciente. Ele disse, conforme João 14:6: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Ele era, em Seu próprio Ser, a fonte da qual fluía toda a verdade. Do mesmo modo, como Deus, Ele era a bondade absoluta, pela qual todas as outras bondades são medidas. Certa vez, Ele mandou que um jovem examinasse suas palavras, ao dizer: “Por que me chamas bom?” Jesus era a própria verdade e a bondade, virtudes que Sócrates desejava entender.

Cristo oferece um conhecimento mais correto - Conquanto Sócrates tenha ensinado alguns princípios verdadeiros, muitas vezes ele foi levado a especular sobre itens importantes, tais como o que acontece depois da morte. Jesus deu respostas exatas a tais perguntas, porque Ele tinha o exato conhecimento sobre o destino humano (Ver João 5:19-29; 11:25-26). Onde a razão (Sócrates) tinha suficiente evidência para chegar a uma conclusão definitiva, a revelação (Cristo) dá as respostas que jamais poderiam ser antecipadas.

A morte de Cristo foi mais nobre - Sócrates morreu por uma causa e o fez com coragem, o que, certamente, merece louvor. Contudo, Jesus morreu como substituto pelos outros (Marcos 10:45), a fim de pagar a penalidade por eles merecida. Ele não morreu apenas pelos Seus amigos, mas também pelos que eram e continuam sendo Seus inimigos. (Romanos 5:6-7). Esta demonstração de amor jamais foi igualada por qualquer filósofo ou filantropo.

A prova de Cristo de Sua mensagem é superior - Provas racionais são boas, quando existe sã evidência para suas conclusões. Sócrates não pôde comprovar sua afirmação de ter sido enviado por Deus com algo que se compare aos milagres de Cristo e à Sua ressurreição. Os profetas e profetisas pagãos, tal como o Oráculo de Delfi, não se comparam com a exata predição e os milagres bíblicos. Nestes atos, existe uma prova superior de que a mensagem de Jesus foi realmente autenticada por Deus.

Cristo é superior a Lao Tse (Taoísmo) - O Taoísmo moderno é uma religião de bruxaria, superstição e politeísmo, embora fosse, originalmente, um sistema de filosofia, conforme tem sido apresentado, hoje em dia, à cultura ocidental. Lao Tse construiu este sistema sobre um princípio que explicava tudo no universo e a tudo conduzia. Este princípio é chamado Tao e não existe uma maneira simples de explicá-lo. O mundo está repleto de opostos conflitantes: bem e mal; macho e fêmea; luz e trevas; sim e não. Todas as oposições são manifestações do conflito ente o Yin e o Yang. Mas, na realidade final, Yin e Yang são completamente interligadas e perfeitamente equilibradas. Este equilíbrio é o mistério chamado Tao. Entender o Tao é verificar que todos os opostos são um e que a verdade jaz na contradição, não na resolução.

O Taoísmo supera isto, no sentido de apressar que se viva em harmonia com o Tao. Alguém deveria entrar numa vida de completa passividade e reflexão sobre questões como: “Qual o som de uma mão batendo palmas?” ou “Se uma árvore cai na floresta e alguém ali não se encontra para escutar, ela produz algum som?” ; “A pessoa deve estar em paz com a natureza, a fim de evitar todas as formas de violência e de mal”. Este sistema filosófico muito se assemelha ao Zen-Budismo.

Cristo traz superior liberdade - Jesus permite que os seres humanos usem a razão. De fato, Ele ordena: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento” (Mateus 22:37). O apóstolo Pedro completa: “Antes, santificai ao SENHOR Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pedro 3:15). O Taoísmo não faz isto, pelo menos em nível elevado. Ele se engaja na afirmação de que “a razão não se aplica à realidade”.

Esta declaração é por si mesma derrotista, uma racional declaração sobre a realidade. Ela é ou verdadeira ou falsa, sobre a maneira como as coisas realmente são, e não contraditória, mesmo afirmando que, no final, a verdade jaz em contradição. Jesus ordenou: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento” (Mateus 22:37). Este é o grande e maior mandamento. Em Isaías 1:18, o Senhor nos convida: “Vinde então, e argüi-me, diz o SENHOR: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã”. E Pedro nos exorta a dar uma explicação sobre a nossa fé: “Antes, santificai ao SENHOR Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós.”

Jesus encorajou o uso da nossa liberdade de escolha, nunca obrigando os que não queriam segui-Lo. O Taoísmo exige que cada seguidor renuncie à própria vontade, desistindo do poder de mudar as coisas, enquanto Jesus ensina que a escolha faz a diferença. Cada pessoa pode escolher entre crer ou não (João 3:18); obedecer ou desobedecer (João 15:14); mudar o mundo ou ser por ele mudado (Mateus 5:13-16).

Jesus permite a cada pessoa a liberdade de ser salva. O Taoísmo oferece apenas um caminho, que é o de resignar-se à maneira como as coisas são. Cristo oferece um meio de mudança, tanto de quem somos como o que somos, de modo que possamos conhecer as alegrias da vida. Em vez de aceitarmos a morte como um fim inevitável, Cristo provê um modo de conquistá-la através da ressurreição. Lao não pôde fazer tal afirmação.

Conclusão - Cristo é absolutamente Único entre todos os que já viveram. Ele é Único em Sua natureza sobrenatural; em Seu caráter superior e em Sua vida e ensino. Nenhum outro mestre mundial afirmou ser Deus. Mesmo quando os seguidores de algum profeta divinizavam o seu mestre, não existe prova alguma para autenticar tal afirmação que possa se comparar ao cumprimento da profecia, à vida impecável e à miraculosa ressurreição de Cristo. Nenhum outro mestre ofereceu a salvação pela fé, independente das obras, no sentido de redimir a culpa pelo pecado humano. Nenhum outro líder religioso, ou filósofo, demonstrou amor pelas pessoas como Jesus Cristo fez, morrendo pelos pecados do mundo (João 15:13; Romanos 5:6-7). Jesus Cristo é absolutamente Inigualável entre todos os seres humanos que já existiram.

Notas de rodapé

J. N. D. Anderson, The World?s Religions
H. Bushnell,
The Supernaturalness of Christ
N. L. Geisler,
The Battle for the Resurrection and R. Brooks, When Skeptics Ask
M. J. Harris,
From Grave to Glory
C. S. Lewis,
Mere Christianity
B. Russell,
Why I Am Not a Christian

C. Shafer, The Seven Laws of Teaching

The Baker Encyclopedia of Christian Apologetics, by Norman Geisler

Tradução de Mary Schultze, em 15 e 16/06/2009