sexta-feira, 22 de julho de 2016

Os Judeus Admitem! "O verdadeiro calendário foi mudado."


Os Judeus Admitem! "O verdadeiro calendário foi mudado."

O SÁBADO DE HOJE É O SÁBADO BÍBLICO?

Suposições são perigosas, especialmente quando estão relacionadas à religião. Se uma crença teológica é baseada numa suposição falsa, a prática dessa religião estará em erro. Uma suposição comum feita por sabatistas que guardam o sábado é que o dia sábado temque ser o sábado da Bíblia por que é o dia que o judeus guardam. O raciocínio é este: “Os judeus nunca guardariam nenhum dia que não fosse o sábado verdadeiro. Assim, o dia sábado tem que ser o sábado verdadeiro porque é quando os judeus adoram.” Um excelente exemplo de raciocínio circular!

É verdade que os judeus nunca perderam a noção do verdadeiro sábado. No entanto, os próprios judeus admitiram que deliberada e conscientemente mudaram oseu calendário pelo qual o verdadeiro sábado havia sidocalculado. Durante o século IV DC, a perseguição de todos os que usavam o calendário bíblico para a adoração foi tão intensa que, no final, os judeus desistiram do seu calendário transmitido desde a Criação através de Moisés e adotaram um calendário ajustado para para a adoração no calendário Juliano.

Os judeus são abertos em admitir o fato de que o calendário original foi anulado sob a intensa perseguição romana de todos os que usavam o calendário bíblico, no século IV DC "Sob o reinado de Constâncio (337-362) as perseguições dos judeus chegou a uma altura que. . . o cálculo do calendário foi proibido, sob pena de punição severa. "(1)

Há três áreas principais em que o calendário original difere do falsificado:

1 - O Calendário do Criador é luni-solar. Isto significa que o ano é solar, mas os meses são lunares, seguindo o ciclo lunar.  O ano começou originalmente com a nova vida na primavera, no momento da colheita da cevada. 

2 -Sendo que o calendário Juliano/Gregoriano é um calendário solar, as falsificações honram o deus sol começando o ano logo após o "renascimento" do deus do sol no solstício do inverno (2) 

3 - A maior diferença entre as falsificações e o calendário genuíno encontra-se no ciclo semanal. O calendário pagão Juliano/Gregoriano tem um ciclo semanal contínuo. O calendário original estabelecido na Criação, não. O ciclo semanal reinicia a cada lua nova. 


Esses fatos são livremente admitidos por estudiosos judeus. O Rabino Louis Finklestein do Seminário Americano de Teologia Judaica foi selecionado pelo Kehillas of the World (Comunidades Judaicas) como um dos 120 judeus que melhor representou "uma lâmpada do judaísmo" para o mundo. Em uma carta ao Dr. L.E. Froom, datada de 20 de fevereiro de 1939, Finklestein admitiu: "O atual calendário judaico foi mudado [ajustado] no século IV." (3) Maimonides e a maioria dos outros judeus cronologistas concordam que o calendário judaico moderno é baseado nos "movimentos médios do sol e da lua, com o verdadeiro [calendário] tendo sido anulado." (4)

A Lua Nova ainda é, e o sábado foi originalmente, dependente do ciclo lunar... Originalmente, a Lua Nova era celebrada da mesma forma como o sábado; gradualmente tornou-se menos importante, enquanto o sábado se tornou mais e mais um dia de religião e de humanidade, de meditação e instrução religiosa, de paz e deleite da alma. (5)

Com o desenvolvimento da importância do sábado como um dia de consagração e a ênfase colocada sobre o significativo número sete, a semana tornou-se mais e mais distante da sua conexão com a lua. . . . (6)

Os meses do ano eram lunares, e começavam com a lua nova (“hodesh”, que veio a significar "mês"). Durante a era dos Reis a lua nova era observada através de um festival de dois dias (1 Sam. 20:24 -47.) (7)

Durante o tempo de Cristo, os israelitas estavam usando o calendário original, dado por Moisés. O sumo sacerdote, que foi selecionado a partir da classe dominante dos saduceus, era encarregado de declarar quando um novo mês tinha começado. Os fariseus, cujas "tradições dos homens" Cristo tão enfaticamente denunciada, não controlavam o calendário. Este é um ponto muito importante porque o calendário em uso atualmente é um calendário elaborado pelos fariseus e justificado por sua tradição oral.

Com a destruição do Templo (70 DC), os saduceus desapareceram por completo, deixando a regulamentação de todos os assuntos judaicos nas mãos dos fariseus. Daí em diante, a vida judaica foi regulamentada pelos fariseus; toda a história do judaísmo foi reconstruída a partir do ponto de vista dos fariseus, e um novo aspecto foi dado ao Sinédrio do passado. A nova cadeia de tradição suplantou a antiga tradição sacerdotal (Abot 1:1). Fariseísmo moldou o caráter do Judaísmo bem como a vida e o pensamento dos judeus para todo o futuro. (8)

Como resultado da perseguição extrema associada com qualquer tentativa de usar o calendário bíblico, Hillel II, o último presidente do Sinédrio, criou um calendário reformado.
Declaração do novo mês pela observação da lua nova, e o ano novo pela chegadada primavera, são decisões que só poderiam ser tomadas pelo Sinédrio. No tempo de Hillel II [4 século CE], o último presidente do Sinédrio, os romanos proibiram esta prática. Hillel II foi, portanto, obrigado a instituir o seu calendário modificado, dando assim antecipadamente a autorização do Sinédrio para os calendários de todos os anos futuros. (9)

Desde os tempos bíblicos os meses e anos do calendário judaico foram estabelecidos pelos ciclos da lua e do sol. A lei tradicional prescreve que os meses devem acompanhar de perto o curso da lua. . . Nos primeiros tempos da nossa história a solução foi encontrada pelo seguinte procedimento prático: O início dos meses era determinado pela observação direta da lua nova.

. . . Este método de observação e intercalação foi usado durante todo o período do segundo templo (516 aC - 70 dC), e cerca de três séculos depois de sua destruição, sempre que houvesse um Sinédrio independente. No quarto século, no entanto, quando a opressão e a perseguição ameaçaram a existência do Sinédrio, o patriarca Hilel II deu um passo extraordinário para preservar a unidade de Israel. . . ele fez público o sistema de cálculo do calendário que até então tinha sido um segredo bem guardado. Ele tinha sido usado no passado apenas para verificar as observações e depoimentos de testemunhas, e para determinar o início da temporada de primavera.. (10)

O calendário hebraico era tanto de cálculo como de observação. A lua é extremamente precisa e exata. Mesmo as várias anomalias, devido à sua órbita elíptica, podem ser previstas. Com conhecimentos astronômicos avançados, que os ancestrais possuíam, o calendário luni-solar é ao mesmo tempo exato e previsível permitindo calcular o passado e o futuro. A beleza deste método de fazer calendário, porém, é que até o pastor na encosta da montanha, sem qualquer conhecimento astronômico, pode usá-lo através da observação.

Quando Hillel II "modificou" o calendário, ele mudou o Ano Novo e corrompeu o ciclo semanal. Isso é tudo. Os princípios pelos quais um calendário luni-solar é calculado são puramente astronômicas. Hillel II não os criou. Ele apenas "tornou público o sistema de cálculo de calendário que até então tinha sido um segredo bem guardado." (11)

Quando o Messias estava na terra, a única coisa que Ele repetidamente e com veemência denunciou foi as "tradições dos homens" – os ensinamentos dos fariseus. É freqüentemente dito: "Se o calendário estivesse incorreto no tempo de Cristo, Ele o teria corrigido." Isto é verdade. O fato de que Ele não o fez prova que o calendário, sob o controle dos saduceus, era de fato o calendário original que o próprio Cristo estabeleceu na Criação. O calendário usado pelos judeus hoje é uma corrupção farisáica. O Rabino Louis Finklestein declarou:

Fariseísmo se tornou Talmudismo ... [Mas] o espírito do antigos fariseus sobrevive inalterado. Quando o judeu ... estuda o Talmud, está na verdade repetindo os argumentos usados ​​nas academias palestinas. . . . O espírito da doutrina [fariseus] tem permanecido rápida e vital. . . . Da Palestina à Babilônia; da Babilônia à África do Norte, Itália, Espanha, França e Alemanha, destes à Polônia, Rússia e Europa Oriental em geral, o antigo Fariseísmo tem vagado. (12)

O Talmud deriva sua autoridade da posição ocupada pelas academias antigas (ou seja, os fariseus). Os professores dessas academias, tanto da Babilônia como da Palestina, eram considerados os sucessores legítimos do velho Sinédrio. . . . No presente momento, o povo judeu não tem nenhuma autoridade central comparável aos Sinédrios antigos ou às academias que os sucederam. Portanto, qualquer decisão relativa à religião judaica deve basear-se no Talmud como o currículo final do ensino das autoridades de quando existiram. (13)

As tradições dos fariseus preservadas no Talmud e das quais Cristo procurou libertar o povo, ensinam que se não se sabe quando ocorre o sábado, simplesmente deve-se guardar um dia em sete. (14) É fácil ver como uma tradição assim poderia ser usada para justificar a alteração do calendário devido à extrema perseguição que enfrentaram todos os que adoravam pelo calendário bíblico. Usando sua autoridade como presidente do Sinédrio, Hillel II conectou as festas anuais ao equinócio da primavera. Em seguida, ajustou o Sábado semanal hebráico (Sabbath) ao sábado sétimo dia (Saturday) do calendário Julian/Gregoriano. Isso "libertou" os judeus da condenação da lei, uma vez que já não se podia saber quando o verdadeiro Sábado ocorria. Assim, eles justificaram a utilização do calendário pagão.

O calendário de verdade é muito fácil de usar. Os dias da semana e Sábados (Sabbaths) de cada mês lunar sempre caem exatamente nas mesmas datas todo mês; (15) os dias da semana não flutuam entre os dias do mês como acontece agora no calendário moderno. Após Hillel II "modificou" o calendário para fazê-lo encaixar com a estrutura do calendário Julian e mudou a observância do sábado sétimo dia da semana lunar para o ciclo continuo da semana Julian, as dificuldades surgiram. Às vezes a lua nova apareceria no dia da semana Julian o que causou com que as festas anuais caissem no dia errado da nova semana. Como resultado, regras de adiamento foram estabelecidas – algo que nunca foi necessário quando o calendário original estava em uso.

Ninguém que deseje guardar o verdadeiro Sábado hebráico deveria seguir as orientações dos judeus para aprender quando ele ocorre. Todos os que guardam o sábado porque "os judeus guardam o sábado" estão seguindo a corrupção que fezHillel II no calendário do Criador e, assim, quebrando a Sua lei.

Lembre-se: Estamos sob o novo pacto, assim que todos aqueles que aceitam o presente daGRAÇA já não estão sujeitos à lei de pedra, mas são salvos pela FÉ em JESUS CRISTO.

“Mas, antes que viesse a fé, estávamos guardados debaixo da lei, encerrados para aquela fé que se havia de revelar. De modo que a lei se tornou nosso aio, para nos conduzir a Cristo, a fim de que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio.” Gálatas 3:23-25

(1) “Calendar,” The Jewish Encyclopedia, ênfase provida por este site.
(2) Isso será abordado em profundidade mais tarde, mas no original calendário Juliano, o solstício de inverno era 25 de dezembro, VIII Kal. Jan., ou oito dias antes do primeiro dia de janeiro.

(3) Caixa 6, pasta 4; Grace Amadon Collection (Coleção 154), Centro de Pesquisa Adventista, Andrews University, Berrien Springs, Michigan.

(4) Maimonides, Kiddusch Ha-hodesch, Tr. Mahler, Wein, 1889, ênfase provida por este site.
(5) “Holidays”, Universal Jewish Encyclopedia, 1899 ed.,p. 410. Veja o original aqui.
(6) The Universal Jewish Encyclopedia, Isaak Landman (ed.), Vol. X, “Week,” (1943 ed.), p. 482.
(7) The Universal Jewish Encyclopedia, “Calendar,” p. 631.
(8) “Pharisees,” The Jewish Encyclopedia, Vol. IX, (1901-1906 ed.), p. 666.
(9) “The Jewish Calendar and Holidays (incl. Sabbath)”: The Jewish Calendar; Changing the Calendar, www.torah.org, ênfase provida por este site.
(10) Arthur Spier, The Comprehensive Hebrew Calendar, (Jerusalem and New York: Feldheim Publishers, 1986), pp. 1-2, ênfase provida por este site.
(11) Ibid.
(12) Louis Finklestein, The Pharisees: The Sociological Background of their Faith, (Philadelphia: The Jewish Publication Society of America, 1946), Vol. 1, Forward to first edition, p. XXI, ênfase provida por este site.
(13) Louis Finklestein, The Jews — Their History, Culture, and Religion, (Philadelphia: The Jewish Publication Society of America, 1949), Vol. 4, p. 1332.
(14) Tractate Shabbat, capítulo 7, Mishna 1, www.JewishVirtualLibrary.org.
(15) Isso explica por que sempre que a data de um sábado (sétimo dia) é dada na Bíblia ele sempre cai no dia 8, 15, 22 ou 29 do mês hebraico.


Fontes: http://blogartigosmeus.blogspot.com.br/2012/10/sabado-o-setimo-dia.html

http://vilaclub.vilamulher.com.br/blog/outros/sabado-o-setimo-dia-9-8461426-242307-pfi-carneiroeurias.html?origem=menu_fixo

segunda-feira, 21 de março de 2016

Comentário sobre "O DECRETO DOMINICAL" esperado pelos adventistas......

Todos gostamos da folguinha no domingo.

Existe também muita preocupação com o “DECRETO DOMINICAL” profetizado por EGW e os Adventistas dizem sempre que está para ocorrer.
================================
Veja como publicaram estes dias:
http://prgilsonmedeiros.blogspot.com/2007/09/o-papa-do-decreto-dominical-ser-bento.html
Com o título:
O papa do Decreto Dominical será Bento XVI?
O papa Bento XVI fez uma declaração há alguns meses que é um “alerta” para aqueles que estudam as profecias, e sabem o que está por vir.
===================================

Minhas observações:
Este tal de decreto dominical esperado, já existe de fato e de direito, e já FUNCIONA desde muito tempo(confira - http://cristaoslivres-francisco.blogspot.com.br/2010/10/decreto-dominical.html).

É bom até para os Adventistas, pois quase todos já descansam no domingo, só vem legalizar um descanso que já existe de fato, passando agora a existir de direito.
Até os Adventistas gostam de descansar no domingo afinal no sábado tem muitas atividades, veja:

1- (SEXTA A NOITE DAR UMA BOA REVISADA NA LIÇÃO)
2 – Levantar 7;00 hs para ir para igreja ;
3 – Arrumar a criançada para levar;
4 – assistir a classe dos professores;
5 – Participar da Classe da escola sabatina;
6 – Cuidar das crianças e ensiná-las em suas classes;
7 – Depois o culto até mais ou menos 12;00hs;
8 – Almoço;
9 – Cochiladinha do quilo após o almoço;
10 – mãos a obra no trabalho missionário e visitas, mais ou menos a partir das 15:00hs;
11 – depois participar do programa de jovens e fazer o por do sol.
Ufaa!!!!!!!!!! foi-se o dia de sábado e cadê o descanso?
Hahhh! descansar mesmo vai ser no domingo!!… vou dormir até tarde.. ficar folgando… depois dar uma passeada de lazer no parque ou visitar os parentes; quem sabe tirar uma folga da cozinha e ir ao restaurante com a família! Eita folga boa esta de domingo!!

FICO PENSANDO: “COITADOS DAQUELES ADVENTISTAS QUE TRABALHAM DOMINGO TAMBÉM; COITADOS NÃO TEM FOLGA DIA NENHUM!”
=========
Outra ! Um decreto dominical, não vai obrigar os judeus, adventistas e os milhões de desempregados do mundo todo a trabalharem no sábado, afinal estes desempregados não tem trabalho dia nenhum!

Hoje estão é reduzindo a carga horária, para que mais pessoas trabalhem!

Sabe a história dos 20 por 80?
Com o advento da industrialização e da tecnologia na agricultura e produção de alimentos, 20 pessoas trabalham para sustentar 100 pessoas; o resto dos desocupados o governo tem que dar pão e circo, para que não criem problemas.
Ai vem bolsa escola para que se mantenham ocupados levando e vigiando para ver se os filhos estão indo para a escola.
Mais bolsa isto, bola aquilo e etc, etc, etc; futebol, copa, show disto e daquilo… uma notícia de H1N1 etc, para ocupar a mente do povo.

Sinceramente!? Quem engole este sapo de que um decreto dominical vai obrigar as pessoas a trabalharem no sábado? Tem gente que não quer saber de nada e não vai trabalhar é dia nenhum! tem muito folgado por aí!

Os funcionário públicos, na sua maioria, já há muito não trabalham nem sábado e nem domingo.

CONFIRME ESTA! NÃO SEI SE É VERDADE, É?
“OS ADVENTISTAS QUE TRABALHAM NA ORGANIZAÇÃO, SÃO TAMBÉM COMO OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, FOLGAM TAMBÉM NO DOMINGO”.”

Então que conversa é esta de “DECRETO DOMINICAL”?
Absurdos à parte; este é mais um!
Diga-se de passagem é uma paranoia de perseguição induzida pelas doutrinas e leituras de livros que distorcem a realidade, levando as pessoas a acreditar em Papai noel, mula sem cabeça, Saci Pererê, Caipora e porque não também Decreto dominical e etc.

Comentário retirado da publicação sobre o assunto no link:
http: http://cristaoslivres-francisco.blogspot.com.br/2010/10/decreto-dominical.html

Atenciosamente..

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Por que Cristãos perseguiram judeus na Segunda Guerra?



Qualquer pessoa com um mínimo de bom senso perguntaria como a Alemanha, um país fundamentalmente protestante, poderia ter sido o berço da maior perseguição e massacre já perpetrados contra o povo judeu na história da humanidade. Afinal, foi ali que Deus usou Martinho Lutero para resgatar a doutrina da justificação pela fé e para traduzir a primeira Bíblia numa língua viva, o alemão, também o primeiro exemplar impresso disponível ao povo comum.

Alguém poderia argumentar que a culpa foi toda de Hitler, mas ninguém de sã consciência iria admitir que ele fez isso sozinho com as próprias mãos. Não sei ao certo, mas talvez Hitler pessoalmente não tenha matado nenhum judeu. Na Primeira Guerra mundial ele foi ferido duas vezes e condecorado por bravura, mas como "mensageiro", que era sua função, e não por matar inimigos. Foram principalmente os alemães, sob o comando de Hitler, que mataram judeus indefesos na Segunda Guerra mundial.

O mesmo vale para Stalin, que também não sei se matou judeus com as próprias mãos, mas comandou o extermínio não apenas judeus, mas também cristãos aos milhares. O mecanismo tanto de um caso quanto de outro é o mesmo: uma população precisa ter implantado em sua mente um ódio latente contra aqueles que irá exterminar para que projetos assim sejam concretizados. Com Stalin isso foi feito durante alguns poucos anos de doutrinação ateísta e, obviamente, da busca por um culpado externo pela miséria do povo. Hitler disseminou o mesmo sentimento de buscar um culpado para a crise na Alemanha, mas também tirou do fundo do baú cultural e religioso dos alemães quase dois mil anos de doutrinação anti-semítica, primeiro do catolicismo, depois do protestantismo. E isso tem a ver com a"Teologia do Pacto" que é professada pela maioria das religiões fundamentalistas cristãs.

Uma das consequências nefastas da "Teologia do Pacto", que se resume na falta de entendimento de que Israel e Igreja são povos de Deus com promessas distintas (terrenas x celestiais), foi o que levou a Alemanha e os alemães a fecharem os olhos para o holocausto. Não apenas fecharem os olhos mas também apertarem o gatilho, acionarem o gás das câmaras de extermínio, e a riscarem o fósforo que acendia os fornos de incineração para dar fim aos corpos e não serem depois acusados de crimes de guerra, caso as coisas dessem errado no final. Enquanto isso o resto da população, consciente ou não do que acontecia atrás do arame farpado, fechava os olhos para o holocausto.

Mas o que a "Teologia do Pacto" tem a ver com isso? Nada para um verdadeiro convertido a Cristo, que traz no coração um sentimento de amor e piedade inerentes à nova vida que tem em Cristo. Tudo para o mero professante, que se acha herdeiro das promessas feitas a Israel no Antigo Testamento. Este irá enxergar, com fundamentação teológica, o povo judeu como um perigoso concorrente à posse daquela herança. Você já viu filhos se digladiarem em cima de uma herança enquanto o corpo do pai defunto ainda está quente? Então não se surpreenda com o que o ser humano é capaz de fazer para não perder seu quinhão aqui ou eternamente.

Não existe dúvida de que nos últimos dois mil anos os judeus têm vivido em aberta rebeldia contra Deus, rejeitando seu Messias que pregaram na cruz por não desejarem se sujeitar a ele. "Não queremos que este reine sobre nós"(Lc 19:14) é o brado que continua ecoando dentro da comunidade judaica. Mas esse mesmo sentimento de ciúme dos judeus contra Jesus, que os denunciou na parábola como tendo dito "Este é o herdeiro; vamos, matemo-lo, e a herança será nossa" (Mc 12:7), foi também o que levou cristãos católicos e protestantes a fecharem olhos e corações para a carnificina do nazismo alemão. A Igreja Católica foi mais longe e, finda a guerra, providenciou uma rota de escape para os criminosos de guerra se refugiarem na América Latina.

Ainda que tenham sido criados com aversão ao Jesus dos Evangelhos, hoje cada judeu que crê em Jesus como seu Salvador recebe o perdão dos pecados e é feito membro do corpo de Cristo, que é a Igreja. Mesmo que não troque de sobrenome, como faziam os "cristãos-novos" de Portugal que eram obrigados a receberem o batismo cristão mesmo sendo inconversos, eles ganham o privilégio de serem vistos por Deus como uma das três classes de pessoas no mundo hoje: judeus, gentios e igreja de Deus (1 Co 10:32). Essa distinção apontada pelo apóstolo Paulo certamente é uma pedra no sapato dos que professam a "Teologia do Pacto". Aos olhos de Deus os judeus hoje, que descendem principalmente das duas tribos conhecidas, Judá e Benjamim, necessitam de salvação tanto quanto os gentios. Os que morrerem na condição de inconversos estarão perdidos.

E os que não se converterem antes da vinda do Senhor para arrebatar sua igreja? Aí teremos duas classes de pessoas, sejam judeus ou gentios, formadas por aqueles que ouviram o evangelho e rejeitaram a salvação, e aqueles não ouviram, ao menos claramente, e terão sua chance após o arrebatamento. Quanto aos que ouviram e rejeitaram, sejam judeus ou gentios, a estes que "não receberam o amor da verdade para se salvarem... Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade" (2 Ts 2:10-12).

Nas palavras do Senhor Jesus em Mateus 25:31-46, em sua vinda para reinar essas classes de pessoas estão representadas da seguinte forma:

"Bodes" — são os perdidos que perseguirão os judeus convertidos a Cristo em tempos de grande tribulação, independente do sobrenome que levam;
"Ovelhas" — são os salvos dentre os gentios que entrarão no reino milenial de Cristo na terra. São os que protegeram e deram água, comida, roupa e visitaram na prisão o remanescente de judeus fieis que o Senhor irá considerar como verdadeiros judeus.
"Pequeninos Irmãos" — os que foram protegidos pelas "ovelhas". Tal é a intimidade do Senhor com estes que ele os chama de seus irmãos (Mt 25:40).

Portanto, após o arrebatamento da igreja veremos renascer o mesmo sentimento que existiu na cristandade na Alemanha e em outros países considerados cristãos. Então a cristandade, vista como a "Grande Meretriz" e"Grande Babilônia" no Livro de Apocalipse, terá domínio por um tempo sobre o poder secular, como aconteceu na história em maior ou menor grau nos últimos dois mil anos. Ali encontramos a Grande Meretriz do poder religioso montando a Besta do poder secular (Ap 17:3). Nesse tempo ela perseguirá ferozmente o remanescente de judeus fiéis do mesmo modo como a cristandade européia perseguiu os judeus na Segunda Grande Guerra. Mas finalmente a Grande Babilônia, culpada por derramar tanto sangue inocente, não só de judeus, mas também de cristãos genuínos ao longo dos últimos dois mil anos, será derrubada de sua montaria e será julgada por Deus. Isto você encontra no capítulo 18 de Apocalipse.

Você talvez não concorde com isso e ache um absurdo acreditar que pessoas que professam ser cristãs poderiam vir a fazer tamanha barbaridade no futuro, considerando o discurso do "politicamente correto" que hoje emana das grandes denominações cristãs, que protegem os menos favorecidos, os rejeitados pela sociedade, os escravizados etc. Você se esqueceu de dizer "os pedófilos, os adúlteros, os ateus...", desde que façam parte do clero. Minha professora de História costumava dizer que estudamos História para conhecer o passado, entender o presente e não repetirmos os mesmos erros no futuro. Pobre professora que acreditava tanto assim na humanidade.

Se você conhecer um pouco de história das religiões cristãs e as doutrinas que cada uma professa hoje verá que grande parte das denominações fundamentalistas acredita basicamente na mesma doutrina que os cristãos alemães católicos e luteranos acreditavam nos tempos da Segunda Guerra Mundial, ou seja, que a Igreja é a sucessora de Israel e a herdeira das promessas feitas àquele povo no Antigo Testamento.

Se assim é, voltamos ao que disse no início sobre o sentimento que os herdeiros têm quando veem alguém dizendo-se herdeiro legal da herança."Este é o herdeiro; vamos, matemo-lo, e a herança será nossa" (Mc 12:7). Se na parábola o Senhor Jesus estava se referindo aos judeus no modo como enxergavam o Filho de Deus vindo ao mundo, o mesmo sentimento pode ser dito da cristandade professa em relação aos "pequeninos irmãos" que o Senhor irá introduzir em seu reino como herdeiros legítimos das promessas feitas a eles no passado.

Mas quem realmente acredita na doutrina da substituição, que Israel tenha sido substituído pela Igreja que seria hoje a herdeira legal das bênçãos materiais? Praticamente toda denominação que prega o "evangelho da prosperidade" e basta ligar a TV ou o rádio para encontrar muitos representantes dessa doutrina. Elas não existiam na Segunda Guerra, mas a doutrina era a mesma professada pelas igrejas Católicas, Ortodoxas, Luteranas, Presbiterianas, Anglicanas, Episcopais, Congregacionais, Menonitas, Reformadas, Adventistas, Nazarenas, Metodistas, Batistas etc.

A figura abaixo indica quais são as que professam a "Teologia do Pacto", que ensina que a Igreja teria substituído Israel, ficando assim herdeira das promessas do Antigo Testamento. A mesma figura indica as denominações cristãs que professam o "Dispensacionalismo", que ensina que a Igreja é um povo distinto e celestial, com promessas espirituais nos céus, enquanto Israel continua como o povo terreno escolhido por Deus que irá desfrutar das promessas de prosperidade material e terrena no Milênio.



Extraído de "Teologia do Pacto ou Dispensações", por Bruce Anstey.



Essa visão equivocada da Igreja como substituta de Israel é tão antiga quanto muitos dos primeiros patriarcas do cristianismo que surgiram na era pós apostólica. Mais tarde isso seria professado também pelos chamados "Reformadores", que apesar de terem sido usados por Deus para resgatar uma doutrina tão preciosa quanto a justificação pela fé, nunca entenderam realmente o que era a Igreja, sua origem e destino, e as diferentes dispensações. Para entender o pensamento de Lutero, que era o pensamento corrente na época entre a maioria dos cristãos, basta ler um texto de sua autoria chamado "Sobre os Judeus e Suas Mentiras", do qual transcrevo aqui alguns trechos (você encontra o texto em vários sites):

"(…) Finalmente, no meu tempo, [os judeus] foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno... Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte... Resumindo, caros príncipes e nobres que têm judeus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os judeus."

Se você acha que esta associação entre Lutero e o Holocausto seja invenção minha é melhor pesquisar mais. Na obra "Ascensão e Queda do Terceiro Reich", de autoria do protestante William L. Shirer, você encontra:



"É difícil compreender a conduta da maioria dos protestantes nos primeiros anos do nazismo, salvo se estivermos prevenidos de dois fatos: sua história e a influência de Martinho Lutero (para evitar qualquer confusão, devo explicar aqui que o autor é protestante). O grande fundador do protestantismo não foi só anti-semita apaixonado como feroz defensor da obediência absoluta à autoridade política. Desejava a Alemanha livre de judeus (…) — conselho que foi literalmente seguido quatro séculos mais tarde por Hitler, Göring e Himmler".
Mas quando falamos de indiferença e ódio de cristãos contra judeus, vale lembrar que a recíproca é verdadeira. Assim com muitos cristãos têm desprezo pelos judeus, e isso com raízes tão profundas quanto a própria herança cultural-religiosa católica ou protestante que receberam, um judeu que se converta a Cristo é desprezado e visto como um pária e traidor de seu próprio povo. Que o diga o judeu que já passou pela experiência de crer no Salvador e precisou enfrentar a rejeição de parentes e amigos judeus.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

sábado, 8 de agosto de 2015

Testemunho de sobrinho de pastor Adventista





Liberto da escravidão legalista da Igreja Adventista

Entrevista em 2003 com Francisco Belvedere Neto ex-adventista hoje convertido a Cristo.



CACP: Como você conheceu a Igreja Adventista do Sétimo dia?

Belvedere: Meu pai nasceu em berço adventista. Meus avós eram adventistas fervorosos. Meu pai abandonou a seita com aprox.18 anos de idade. Meu tio ( irmão do meu pai) é um pastor adventista muito famoso a nível mundial dentro da IASD. Quando nasci, por meu pai não professar nenhuma religião, e minha mãe ser católica não praticante meu pai me levava aos sábados à Escola Sabatina para que eu aprendesse um pouco sobre a Bíblia. Porém, por motivos que eu desconhecia, ele não dava autorização para que eu me batizasse e me tornasse membro da Igreja, apesar de minha constante insistência. Meu contato mais profundo com a IASD se deu, quando vim morar em Curitiba, quando me aprofundei mais nas doutrinas ASD e comecei a ler Ellen White. Foi quando eu entrei em uma profunda crise espiritual.

CACP: Como foi essa crise espiritual?

Belvedere: Tudo começou quando eu estava em um acampamento de carnaval, quando foi lido um trecho de um livro de Ellen White, onde ela afirmava que não era licito a um cristão ir a Teatros, Cinemas ou Circos. Eu achei aquilo, antibiblico e fui conversar com o pastor que me deu uma explicação absurda. Ele disse que se Jesus voltar e eu estivesse em um cinema e alguém la dentro estivesse praticando algum pecado, eu seria condenado juntamente com aqueles pecadores. Eu tinha 13 anos de idade e pouco conhecia das Escrituras, mas o pouco que eu conhecia me faziam entender que aquilo era uma heresia, embora eu não soubesse ainda o que era uma. Passado isso, eu comecei a buscar a saber mais coisas sobre o fim dos tempos. Lembro-me quando na igreja no sábado de manhã, fomos "alertados" que possivelmente a lei dominical estaria para ser aprovada, e o pregador ainda leu um trecho que trata desse assunto no livro O Grande Conflito da Sra.White, como se estivesse lendo um verso da Bíblia. Isso foi em 1996. O motivo do alarde foi uma noticia qualquer com relação ao dia de domingo, não lembro ao certo o que era. Mas foi o suficiente para me deixar quase que em pânico, pois, para os adventistas, Lei Dominical = Perseguição. Bem, a minha crise espiritual veio mesmo quando li o livro O Grande Conflito e fiquei impressionado com o que lá estava. A partir daquele momento eu não ousava cogitar a possibilidade de me unir a outra igreja ou de duvidar da inspiração de Ellen White, pois tinha a convicção de que a única Igreja verdadeira era a IASD. Porém, eu comecei a ver contradições da sra.White com a Bíblia, só que não conseguia enxergar a verdade. Eu a julgava com a mesma autoridade dos autores Bíblicos, e comecei a ficar confuso.

CACP: Quando você pôde concluir que Ellen White era uma falsa profetiza?

Belvedere: Quando vi com meus próprios olhos o que as Escrituras diziam a respeito da Lei e do Sábado.Só que as coisas não pararam por ai. Eu comecei a ter contato com Testemunhas de Jeová, que tem ensinamentos parecidos. Como eu não sabia que o fundador das TJs havia tido influencia de adventistas, comecei a ficar confuso: Como que dois grupos tão (aparentemente) diferentes tinham tais pontos em comum? Será que tais ensinos seriam verdade? Comecei a achar que a verdade teria que estar em um desse dois grupos. Depois quando fui descobrir o vinculo de Russell com um adventista compreendi melhor as coisas.

CACP: Como se deu sua conversão?

Belvedere: Chegou a um ponto em que eu já não iria mais voltar atrás dos ensinos de Ellen White. Eu já havia pego os TJs em contradição e comecei a visitar varias igrejas evangélicas. No dia 11/04/99 eu fui visitar a Igreja Metodista, onde comecei a conversar com um pastor, a quem expliquei minha experiência anterior ele me explicou algumas coisas. No dia 28/04/99 recebi a visita de um grupo de Evangelismo Explosivo da igreja, que me explicaram como ser Salvo. Naquele momento eu respondi ao apelo e recebi a Jesus Cristo como meu Salvador pessoal e passei confiar nele para a vida eterna. Hoje eu sou um Salvo por Jesus Cristo Meu Senhor, o qual se manifestou e carne para destruir as obras do diabo.

CACP: Como está sua vida hoje?

Belvedere: Hoje eu sou diácono da igreja, estou cursando bacharelado em Teologia na Faculdade Evangélica do Paraná. Pretendo seguir o Ministério Pastoral.

CACP: Trace um perfil do Adventismo hoje e seu perigo para os Evangélicos.

Belvedere: O Adventismo hoje está usando uma tática proselitista muito sutil. O falso ecumenismo. Eles chamam os membros das demais igrejas que eles consideram apostatas de irmãos, divulgam eventos de Igrejas Evangélicas em suas rádios, vão cantar nos cultos das outras igrejas, mas sempre preparados para oferecer seus "estudos bíblicos" para cristãos já convertidos. Eles atraem atenção dos irmãos para suas rádios, com musicas de cantores gospel, mas sorrateiramente nos intervalos entre um programa e outro eles bombardeiam os irmãos com suas doutrinas. Que fique aqui um aviso aos Pastores , Lideres e membros das mais diversas denominações: Cuidado com colégios, rádios e programas adventistas, pois são os principais meios por onde eles conseguem minar a cabeça dos incautos com pouco conhecimento bíblico com suas heresias.

Nome: Francisco Belvedere Neto

Fonte: Autorização pessoal e link: http://nitrogricerinapura2010.blogspot.com.br/2011/02/testemunho-de-um-neto-famoso-de-daniel.html

''Que maravilha, conseguir desconstruir a lavagem cerebral sofrida por esta seita, e poder se recompor mentalmente e respirar livre''

terça-feira, 7 de julho de 2015

Porta da Graça fechada??? em 1844??? Por EGW.

As incoerências e mentiras de Ellen White sobre a
 Porta da Graça fechada em 1844. Título de adventistas.WS
=======================================================================

“Meu anjo acompanhante me convidou a buscar ver o trabalho pelas almas dos pecadores, como antes existia. Olhei, mas não pude vê-lo, porque o tempo da salvação deles havia passado." Present Truth, Ago., 1849.
"Mas o pecador, a quem Jesus havia estendido seus braços todo o dia, e que havia desprezado a oferta da salvação, ficou sem advogado quando Jesus saiu do Lugar Santo e fechou essa porta em 1844." Present Truth, maio, 1850.
“Era tão impossível para eles alcançar o caminho novamente e seguir para a cidade, como também para todo o mundo ímpio que Deus havia rejeitado.Logo ouvimos a voz de Deus como muitas águas..." Primeiros Escritos, & Word for the Little Flock).
Note que segundo as “visões” de Ellen White, em 1844, Cristo teria saído do Lugar Santo e fechado a porta da graça, não havendo mais possibilidade de salvação para o pecador, pois o tempo de salvação deles havia passado.
Já no texto que apresentamos abaixo, escrito 24 anos depois, Ellen White nega ter escrito o que acabamos de ler nos textos acima.

Nunca declarei nem escrevi que o mundo estava condenado ou perdido. Nunca, sob quaisquer circunstâncias, empreguei esta linguagem com ninguém, embora pecador. Tenho tido sempre mensagens de reprovação para aqueles que usavam essas ásperas expressões.” Carta 2, 1874. – Mensagens Escolhidas, Vol. I, pág. 74.
O pior de tudo vem a seguir:
No texto apresentado abaixo, segundo Ellen White, Deus lhe teria dado duas visões confirmando a doutrina da porta fechada, fato este que segundo ela mesma relata, levou o “irmão Stowel” a crer na doutrina da porta fechada.  Veja:
 “Vi que o irmão Stowell, de Paris, vacilava sobre a questão da porta fechada...Deus me deu duas visões enquanto estive ali, para grande consolo e fortaleza dos irmãos e irmãs. O Irmão Stowell foi firmado na doutrina da porta fechada e em toda a verdade presente de que havia duvidado."Ibid., p. 93.
Note que segundo Ellen White, Deus havia lhe dado DUAS visões, as quais serviram para convencer o irmão Stowell da doutrina da porta fechada.
O mais incrível é que ao passar do tempo, não tendo mais como sustentar a doutrina da porta fechada, em vez de ser humilde e admitir o erro, Ellen White novamente desmente o que escreveu, NEGANDO que tenha tido qualquer visão sobre a porta fechada.
Veja que agora, apesar de Ellen White admitir ter crido na doutrina da porta fechada, mente ao negar ter tido qualquer visão sobre essa doutrina:
"Durante algum tempo após o desapontamento de 1844 eu de fato mantive, em comum com o corpo de adventistas, que a porta da misericórdia fora então para sempre fechada para o mundoEsta posição foi assumida antes de minha primeira visão ter-me sido dadaFoi a luz concedida a mim por Deus que havia corrigido o nosso erro, e nos capacitou a ver a verdadeira posição." Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, Vol. 1, p. 63.

Veja que após vários anos de pregação, Ellen White rebaixou a sua "visão da porta fechada" para uma simples "teoria", e mudou o seu significado.

"Eu continuo acreditando na teoria da porta fechada, mas não no sentido que nós empregamos o termo inicialmente, ... "EGW  SM 1 Pg 63     

Ora, mas segundo Ellen White, não teria sido Deus quem lhe dera duas visões confirmando a doutrina da porta fechada? Como que agora tudo não passa de uma simples teoria? Muito estranho isso!!!

Adilson de Souza
===================================================================
Fonte do texto: http://www.adventistas.ws/porta8.htm

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Qual evangelho te importa??? Qual você segue?

Não seja pego de surpresa quando o dia do Senhor chegar ! #FORTE !!!
Posted by Deborah Coelho on Sexta, 6 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Eu estou marcado? Você está marcado? A CONSCIÊNCIA MARCADA COM FERRO EM BRASA


PROÍBEM O MATRIMÔNIO E O USO DE CERTOS ALIMENTOS - Celibato - Carne, queijo, manteiga e ovos etc

Este estudo Mostra que EGW desacatou recomendações apostólicas ao fazer certas reivindicações aos Cristãos, veja:
Leia com atenção......Se levarmos em conta este texto bíblico e o testemunho veremos algo sobre doutrinas de demônios e de espíritos enganadores, ou seja, EMBUSTEIROS.

(Abusos: Sinais dos últimos tempos)
1 Timóteo Cap 4

1- O Espírito diz claramente que, nos últimos tempos, alguns renegarão a fé e se APEGARÃO a EMBUSTEIROS e a DOUTRINAS DIABÓLICAS,
2- deixando-se iludir por pessoas FALSAS e MENTIROSAS, COM A CONSCIÊNCIA MARCADA COM FERRO EM BRASA.

3 – PROÍBEM O MATRIMÔNIO E O USO DE CERTOS ALIMENTOS que, no entanto, foram criados por Deus para serem tomados com ação de graças pelos fiéis e por aqueles que chegaram ao conhecimento da verdade,

4 – pois toda criatura de Deus é boa, e não se deve rejeitar coisa alguma que se usa com ação de graças.

5 – Com efeito essas coisas são santificadas pela palavra de Deus e pela oração.

Os comentário que tecerei a seguir não tem o interesse de ferir ou magoar os irmãos, nem criar polêmica. Este assunto me veio quando recebi uma Msg de e-mail que identificava a Igreja católica com a primeira frase do versículo 3, de 1 timóteo cap. 4, que diz “que proíbem o MATRIMÔNIO”, mas lendo a seguir encontramos na segunda frase do versículo, o seguinte: “exigem a ABSTINÊNCIA DE ALIMENTOS", Fiquei pensando! aplicamos a outro a primeira frase do versículo; fiquei imaginando então!? a quem se aplicaria a segunda frase do versículo? Qual a única denominação religiosa que trata disto, que mistura regras de alimentação, com doutrina religiosa?

Preste atenção nisto....

1 - MATRIMÔNIO:

Recomendação para não se casarem e terem filhos...

2 - ABSTINÊNCIA DE CERTOS ALIMENTOS:

Carne, queijo, ovos, manteiga, chás e etc


E x p l i c a ç õ e s..

1 -Quanto ao MATRIMÔNIO:

Recomendação para não se casarem e terem filhos...
PROVA NOS ESCRITOS de Ellen G White, veja:

"Nesta era do mundo, com as cenas da história da Terra prestes a se findar, e estando prestes a entrar no tempo de angústia como nunca houve, QUANTO MENOS CASAMENTOS CASAMENTOS CONTRAÍDOS, MELHOR PARA TODOS, HOMENS E MULHERES."
5. Testimonies, p. 366.(Veja citação em Testemunhos para a Igreja,vol 5, página 366
=================================
Filtragem
Veja em Inglês:

"In this age of the world, as the scenes of earth’s history are soon to close and we are about to enter upon the time of trouble such as never was, the fewer the marriages contracted, the better for all, both men and women." 5 Testimonies, p. 366 -(citação do livro: testemunhos para a Igreja, vol 5,pag 366).

TESTEMUNHO DE CONTEMPORÂNEO DE EGW, comprovando o que está escrito..

Fonte: Testimony by Paul N. Barker, no link =
http://www.truthorfables.com/Testimony_by_Paul_Barker.htm

Tradução do Google tradutor.. com algumas pequenas correções..
Selecionei só a parte que trata de matrimônio; Abrindo o link fonte você terá todo testemunho em inglês.
======
Diz Ele:

Quando eu tinha quatro anos, a família mudou-se para Missoula Montana, onde começou a freqüentar a Igreja dali, que era pequena (fígado fumado colorido) edifício ao lado da subestação da estrada de ferro do Norte do Pacífico, onde os serviços religiosos eram muitas vezes completamente abafados pelo barulho de comutação de motores e batidas de carros . Nós não tínhamos muito mais do que tínhamos, QUANDO SE ESTABELECERAM AQUI A SRA. WHITE QUE ENVIOU NOTIFICAÇÕES PARA AS IGREJAS DE QUE A VINDA DO SENHOR ESTAVA TÃO PERTO QUE NÃO DEVIAM MAIS SER REALIZADOS CASAMENTOS NA IGREJA E QUE OS MEMBROS JÁ CASADOS DEVIAM VIVER COMO VIRGENS CASTOS . Consternação era comum. Embora sendo apenas uma criança de cerca de cinco ou seis anos de idade ainda posso visualizar o ministro em frente à igreja, com lágrimas escorrendo pelo rosto, confessando à Igreja que Satanás o havia tentado durante as horas de escuridão da noite e que tinha caído, mas que com a ajuda de Deus ele se manteria firme na próxima vez; apenas para repetir o desempenho no sábado seguinte. Na minha idade eu não conseguia descobrir qual terrível tentação que o ministro teve durante as horas das noites escuras, até que eu era mais velho que eu entendi o que foi que aconteceu.
========



NÃO PROCEDE A ACUSAÇÃO DE QUE A IGREJA CATÓLICA PROÍBE O MATRIMÔNIO, pois na bíblia há fundamento para o CELIBATO, veja:

Mateus
19.12 Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e HA OUTROS QUE A SI MESMOS SE FIZERAM EUNUCOS, POR CAUSA DO REINO DOS CÉUS. Quem é apto para o admitir admita.

1 Coríntios
7.32 O que realmente eu quero é que estejais livres de preocupações. QUEM NÃO É CASADO CUIDA DAS COISAS DO SENHOR, de como agradar ao Senhor;

7.33 mas o que se casou cuida das coisas do mundo, de como agradar à esposa,
7.34 e assim está dividido. Também a mulher, tanto a viúva como a virgem, cuida das coisas do Senhor, para ser santa, assim no corpo como no espírito; a que se casou, porém, se preocupa com as coisas do mundo, de como agradar ao marido.
7.35 Digo isto em favor dos vossos próprios interesses; não que eu pretenda enredar-vos, mas somente para o que é decoroso E VOS FACILITE O CONSAGRAR-VOS, DESIMPEDIDAMENTE, AO SENHOR.

2 - Quanto a ABSTINÊNCIA DE CERTOS ALIMENTOS:

As regras de Alimentação de EGW, ultrapassam em muito, as regras da dispensação levítica..

PROVA NOS ESCRITOS de Ellen G White, veja:

Tenho o Livro "Conselhos Sobre o Regime alimentar" de Ellen G White. Fui ao capítulo 13, Dieta Infantil, pag 245, e lá está:

"Devíeis estar ensinando vossos filhos. Devíeis instruí-los sobre como fugir aos vícios e corrupção deste século. Em vez disto, muitos estão empenhados em conseguir alguma iguaria saborosa. Colocais sobre a vossa mesa MANTEIGA, OVOS e CARNE, e vossos filhos disso participam. Alimentam-se dos próprios artigos que lhes excitam as paixões animais, e então ides à reunião e pedis a Deus que abençõe e salve vossos filhos. Que altura alcançarão as vossas orações? Tendes uma obra a realizar primeiro. Depois de haverdes feito por vossos filhos tudo que Deus deixou ao vosso cuidado, podereis então, com confiança, reclamar o auxílio especial que Deus vos prometeu dar."

O QUEIJO É AINDA MAIS OBEJTÁVEL; é totalmente impróprio como alimento - Ciência do bom viver - PG 302.

Agora veja que Abraão, deu carne e coalhada aos anjos..

Gênesis
18.8 Tomou também coalhada e leite e o novilho que mandara preparar e pôs tudo diante deles; e permaneceu de pé junto a eles debaixo da árvore; e eles comeram.

Davi comeu queijo
2 Samuel
17.29 também mel, coalhada, ovelhas e queijos de gado e os trouxeram a Davi e ao povo que com ele estava, para comerem, porque disseram: Este povo no deserto está faminto, cansado e sedento.


procurando, encontra, só não vê quem não quer!

O Que fazer? Cada cabeça segue o que quer!


Cordialmente,

Cristão Livre