domingo, 10 de janeiro de 2010

O Cavalo parou e pulou....

                  Continuando minhas aventuras sobre cavalos....
Mais uma vez no campo; chácara chamada Barra; situada entre a BR20 e a lagoa feia em Formosa/GO.
                  Depois ter assistido aulas, pela manhã, no Ginásio Arquidiocesano do planalto e ter almoçado em casa na cidade, fui para a “Barra”, chegando lá peguei o “Potrinho”, famoso potrinho!
Montei em pêlo (não gostava de usar arreio para serviços rápidos) e sai para buscar as vacas e bezerros, pois estava chegando a hora de apartá-los.
                  Saí pela estrada que dava no “Tênis Clube”, antiga pousada a beira da lagoa, que penso nem chegou a ser inaugurada; poucas pessoas souberam de sua existência. Ficava atrás da “Barra”
Encontrei alguns animais, tocava-os encaminhado-os direção a chácara, afastando em busca de outros espalhados no pasto. Assim fui para o lado mais baixo do pasto, onde o capim provisório estava verdinho e muito alto e não estava dando para ver nada, apenas a cabeça do potrinho abrindo caminho entre o capim.
                  Estava deslumbrado! O potrinho em sua rápida marcha seguia velozmente entre o capim e eu pensando, Como pode! Não estou vendo nada e ele vai despreocupado varando e atravessando este capinzal! Dei cordas ao animalzinho que empolgado seguia em frente.
O capim batia em mim e eu estava achando legal a maneira como velozmente ele abria caminho entre o capim e avançava.
                  Naquele tempo além da bicicleta o cavalo era também a minha moto, meu carro e meu avião; onde eu me deliciava a cavalgar, correr e voar; como verão mais a frente.
Mal sabia eu o que me esperava de novo!
Como poderia imaginar!
                  Pensava:
                  Ele por certo sabe o que está fazendo seguindo nesta velocidade pelo meio deste capim! Não diminuía a marcha, parece de novo que tudo eram nuvens e ele como verdadeiro escudeiro ia abrindo caminho, e eu na dele! Nas nuvens também! Voava no paraíso! Embevecido com aquela experiência maravilhosa! Aquele potrinho me surpreendia cada vez mais! Ele era inigualável... Ninguém jamais teria um cavalo como aquele! Ágil, forte, disposto e jovem.
Mas então... De repente... Ele fez uma parada brusca e eu saí escorregando pelo seu lombo, passando pelo pescoço sobre a crina indo até as orelhas do potrinho, que ficaram entre minhas pernas, sabia que iria me esborrachar no chão! Hah... Isto não era nada quando estava vendo as duas orelhinhas do potrinho entre minhas pernas, então pude perceber a enormidade do problema..
                  Então vi...
                  O Abismo...
                  Abriu a boca em minha frente!!!! Bem debaixo da cabeça do potrinho de onde eu alçava vôo... Vôo sem asas...inesperado.. Lá estava ele... Enorme.... disforme .... com a boca bem aberta... me tragando e eu caindo contundo pensando.. Me esborrachando... Me quebrando todo lá embaixo e quem sabe o potrinho junto comigo! Havia algumas pedras no fundo daquela grota. Devia ter uns dois metros de profundidade e uns dois metros de largura.
                  Não deu tempo de pensar ou fazer alguma coisa... Foi só assistir...
O Potrinho da mesma maneira que parou bruscamente... Arrancou bruscamente... em salto! Vôo ágil, magnífico, exuberante, vitorioso... Então de novo me vi escorregando.. voando... ; Potrinho indo embora; eu ficando... Ele saindo debaixo de mim... eu escorregando do pescoço sobre a crina, passando para o lombo e ficando para trás, para cair no abismo.......... Reflexo? Instinto? Agilidade? Força? Há na Juventude! Foi quando por instinto, usei minha unhas e agarrei como pude no seu lombo e quando estava com as duas pernas, nas ancas traseiras, naqueles dois grandes ossos traseiros quase sobre o rabo, quase caindo! Ele já havia concluído seu instintivo salto e eu usado minhas instintivas unhadas no lombo... Saímos do outro lado! Fui arremessado novamente, agora para frente, quando do impacto do pouso do outro lado do abismo ... Eu galgando os quartos traseiros do potrinho e olhando para trás e pensando .. Se tivéssemos caído!! .. Teria me machucado muito ou coisa pior..
Me acomodei corretamente no lombo dele...
Ufaaa!!! escapei mais uma vez...
                  Seguimos trabalhando ...
                  Concluí meu trabalho de aparte do gado leiteiro...
                  Voltei para casa.
                 
De vez em quando conto esta história para alguém....
Mas parece que não entendem... só quem já foi vaqueiro entende estas coisas e com certeza passou por experiências mais empolgantes e perigosas.


Por isto tudo e muito mais, dou graças a Deus por ter preservado minha vida e saúde até o dia de hoje!
Até aqui nos tem ajudado e protegido O Senhor e peço a Ele que continue nos ajudando e protegendo sempre!
E que naquele dia possamos dizer: “Eis o Nosso Deus em quem aguardávamos! na sua salvação nos alegraremos e regozijaremos!”
Ele tem nos salvado muitas vezes aqui neste mundo. Esperamos pelo poder e graça de Deus que há em Nosso Senhor e Salvador Jesus e Cristo estar a salvos na eternidade.