segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A Realidade - por Joaquín Salvador Lavado - O Quino

A realidade!

Joaquín Salvador Lavado, o Quino, é grande cartunista argentino, "pai daMafalda" e de tantas outras charges que durante várias décadas vem encantando o mundo. Sua marca distintiva é o humor reflexivo, inteligente e sempre atual.

No momento publica seus desenhos na revista semanal do "El Clarín" - Buenos Aires. Nos desenhos abaixo, o criador de Mafalda, se mostra desiludido com o rumo deste século no que diz respeito aos valores humanos.

sábado, 14 de agosto de 2010

A HISTÓRIA DA FESTA DAS LUZES HANUKKAH

A HISTÓRIA DA FESTA DAS LUZES HANUKKAH
DE DANIEL ATÉ JESUS CRISTO
TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO POR Eloy Arraes Vargas
A festa do Hanukkah ( Festa das Luzes) é uma tradição comemorada a mais de 2000 anos pelos Judeus; O novo testamento refere-se a essa festa, e mais importante ainda, cálculos feitos com base bíblica nos mostram que Jesus Cristo teria sido concebido durante as festas do Hanukkah.
http://eloyarraes.blogspot.com.br/2013/05/a-historia-da-festa-das-luzes-hanukkah.html

Lamentavelmente vários grupos religiosos procuram ocultar dos seus membros a existência dessa festa, a qual só vem causar curiosidade a cristãos quando eles entram em contato com a comunidade Judaica e a encontram comemorando essa festa de forma muito semelhante com a comemoração do natal cristão.
Estudemos essa festa.
Em 168 AC., Antioco Epiphanes, confiando no panteão de deuses gregos, decretou o fim da religião judaica. Antioco passou a destruir as sinagogas e massacrar os judeus que não se submetiam a nova religião, Ele não suspeitava que um pequeno grupo de judeus que confiavam somente no Deus de Abraão, Isaac e Jacob, iria humilha-lo completamente.
Antioco pensou que havia resolvido o “problema judaico.” Suas tropas haviam nivelado os muros de Jerusalém, e ele ergueu um grande forte chamado ACRA, na área do templo para uso das suas tropas gregas.
Antioco Epiphanes acreditava que havia apagado inteiramente a religião judaica. Ele declarou que a Torah, que era a constituição Judaica, estava inteiramente anulada e sem valor. Ele proibiu a observância dos costumes religiosos Judeus, em especial a guarda do sábado semanal, a circuncisão, e as leis de saúde. Por outro lado ele forçou o povo a adotar a religião estatal Grega.
FORÇANDO A NOVA RELIGIÃO
Os judeus foram forçados a sacrificar aos deuses gregos. Para obriga-los a seguir a religião grega ele fez sacrifícios de animais impuros, particularmente porcos, no altar. Oficiais gregos foram mandados através do império para forçar rigidamente a nova religião. Qualquer resistência era punida com a morte. As sinagogas foram destruídas, Os rolos dos livros sagrados foram profanados e o povo foi massacrado aos milhares.
Para coroar essas calamidades, o Templo de Jerusalém foi re-dedicado ao deus grego ZEUS. A estatua de Zeus foi colocada dentro do templo. Porcos foram abatidos no altar. Essa foi a horrível “Abominação que causou a desolação que foi referida no livro de Daniel.
Lamentavelmente o povo cristão fica repetindo a frase “Abominação da desolação” sem sequer saber o significado dessas duas palavras.
É muito fácil procurar no dicionário Aurélio o significado dessas palavras :-
Abominar = Sentir horror a; detestar; aborrecer.
Desolar = Devastar, arruinar, assolar, Tornar triste, melancólico, ao extremo; afligir, desgraçar.
Não há porque especular sobre palavras tão simples !!
Daniel 11: 31;32 – Dele sairão forças que profanarão o santuário, a fortaleza nossa, e tirarão o sacrifício diário, estabelecendo a abominação desoladora. Aos violadores da aliança, ele perverterá com lisonjas, mas o povo que conhece o seu Deus se tornará forte e ativo.
Os que escaparam a ira de Antioco fugiram para esconderijos nas costas do Mar Morto, na selva de Judéia e nas cavernas das montanhas. Eles levaram com eles cópias da Torah e a profecia de Daniel. Os líderes do êxodo eram conhecidos como Chasidim, "os piedosos". Eles estavam preparados para morrer pela fé, e muitos morreram.
Um comandante das tropas de Antioco ergueu um altar pagão em uma pequena cidade a nordeste de Jerusalém. O povo foi chamado para segui-lo e sacrificar um porco no altar afim de demonstrar sua lealdade a Antioco.
Um velho sacerdote,de nome Matatias, foi chamado para dar o exemplo e para ser o primeiro a sacrificar. Ele se recusou. Então um judeu colaborador dos gregos aproximou-se do altar para sacrificar um porco. Matatias se enraiveceu e matou o Judeu apostata e o comandante das tropas. Matatias e seus cinco filhos destruíram o altar pagão e fugiram para as montanhas ao redor de Jerusalém.
A REPERCUSÃO DA REVOLTA DE MATATIAS.
As novas sobre a rebelião de Matatias se espalharam rapidamente. Muitos que estavam temerosos responderam quando Matatias e seus cinco filhos deram seu grito de guerra. (I macabeus 2:27)
No princípio foi uma guerra de guerrilha. Mais tarde muitos dos seguidores da verdade e da justiça se uniram na selva com os filhos de Matatias. As notícias chegaram aos agentes do rei e às forças que estavam em Jerusalém, os soldados procuraram o acampamento dos Judeus fiéis e os prenderam num ataque feito num dia de sábado, em seguida disseram:-
“Façam o que o rei lhes mandou e suas vidas serão salvas.” ; os Judeus fiéis responderam “ Nós não sairemos e não atenderemos a ordem do rei e não quebraremos o sábado.”
Os soldados aceleraram para os atacar. E os Judeus não reagiram em resposta a eles; os judeus não lançaram nem uma pedra nem bloquearam os esconderijos, disseram os judeus, "Deixemos tudo e morramos inocentes. Nós clamamos ao céu e terra como testemunhas que você nos destrói de forma ilegítima."
Os soldados atacaram durante o Sábado, e os judeus morreram com suas esposas e seus filhos; milhares morreram. ( I macabeus 2:29-38)
Matatias decidiu que deixar os gregos massacra-los no Sábado era errado. Ele decidiu que a partir daquela data os judeus poderiam se defender no dia de Sábado. Esta decisão reforçou a luta. Antioco logo percebeu que ele estava com uma violenta rebelião em suas mãos.
Matatias, era um velho homem e morreu um ano após destruir o altar pagão. Quando morreu ele apontou seu filho Judá, o qual foi chamado Macabeu, como comandante em chefe. Foi uma sábia escolha, pois Judas humilhou Antioco Epiphanes.
Inicialmente Judas Macabeu e seus homens fizeram ataques esporádicos contra cidades desguarnecidas. Mas gradualmente, quando suas tropas se fortaleceram, ele começou a atacar postos de guarda das forças sírias - gregas.
Os comandantes sírios dispunham de batalhões formados por soldados sírios e por Judeus helenizados (que aceitaram a cultura grega) Muitas vezes parecia que os judeus seriam derrotados, mas a cada vez, antes da batalha os Judeus Jejuavam e Oravam. O SENHOR os atendeu e deu a vitória aos Judeus.

O LIVRO DE DANIEL – UMA LINHA DO TEMPO.
Eles Leram o livro de Daniel e naquele livro O SENHOR mostrou-lhes quanto tempo iria decorrer até que o templo fosse retirado das mãos dos pagãos.
. "Até quando durará a visão do sacrifício diário e da transgressão assoladora, visão na qual é entregue o santuário e o exercito afim de serem pisados ? ' Ele me disse:Até 2300 tardes e manhãs; e o santuário será purificado.” (Dan. 8:13, 14).
A pergunta foi “Até quando?” e a resposta foi “Não muito ”; Deus foi fiel em sua promessa.
O templo foi purificado e re-consagrado dentro do tempo estabelecido na promessa contada desde o dia em que Antioco Epiphanes iniciou a perseguição contra os Judeus.
O Prof. H. Graetz escreveu sobre essa profecia o seguinte:-
“O livro de Daniel com suas profecias místicas gerava grande interesse. A escrita em forma apocalíptica deu a cada linha um significado especial e refletia as condições da época, isso causava grande atração. Além disso, esclareceu o problema das calamidades que estavam sofrendo e mostrou o objeto das perseguições que eram por um lado para destruir o pecado e por outro para enobrecer os fiéis. Era evidente que o período de aflição tinha sido determinado desde o princípio e que sua duração também tinha um significado místico. Os reinos mundanos desapareceriam e no final dos tempos dariam lugar ao Reino de Deus e os que tinham morrido ou tinham sido assassinados durante as perseguições despertariam para a vida eterna. “H Graetz, História dos Judeus, Vol I R.466” (versão livre do tradutor).
Nunca antes na história militar tantos foram derrotados por tão poucos. Antíoco entendeu que tinha uma grande rebelião em suas mãos a qual ele precisava suprimir rapidamente. Ele nomeou o seu general mais capaz, Lysias, para acabar com qualquer vestígio de Judaísmo. Lysias preparou um exercito de elite e estava tão confiante na sua vitória que anunciou antecipadamente o preço que ele cobraria pelos escravos judeus que ele iria capturar!
Judas e seus homens juntaram-se em Mizpá onde centenas de anos antes Samuel chamou o povo de Israel ao arrependimento (1 Sam. 7:5). Lá eles oraram e Deus respondeu as suas preces. Aquela noite o brilhante general Lysias decidiu dividir suas tropas. Ele enviou um contingente de cavalaria e infantaria para fazer um ataque de surpresa contra as forças judaicas pela manhã. Mas naquela noite Judas e seus homens desfizeram o acampamento e pela manhã seguinte derrotaram o exercito sírio..
Começou a marcha para Jerusalém. Com hinos de louvor em seus lábios, o exercito Macabeu entrou em Jerusalém, a qual tinha sido profanada 3 anos antes. Os soldados puderam então preparar a tarefa da purificação do templo.
Judas e seus irmãos disseram: “Agora que nossos inimigos estão derrotados vamos purificar o santuário e re - dedica-lo”. (1 Mac. 4:36). Eles removeram todos os vestígios do paganismo e construíram um novo altar. No dia 25 de Kislev ( usualmente em dezembro), 3 anos depois que a abominação da desolação foi introduzida no templo houve a nova dedicação. Eles celebraram a dedicação do templo por 8 dias.
Esta é a origem da festa da Hanukkah. Cerca de dois séculos depois Jesus estava celebrando essa festa em Jerusalém. ( Evangelho de João 10:22,23).
UMA BELA TRADIÇÃO
É uma história facinante, mas o maior milagre é que mais uma vez Deus preservou seu povo para o cumprimento da promessa feita para Abraâo. Que todos os povos da terra seriam abençoados através dele, ( Genesis 12:3).

REFLEXÃO ESPECIAL PARA OS IASD.
O leitor notará que o próprio Jesus observou a festa de Hanukah (Banquete de Dedicação) João 10:22 e também deve notar que Ellen White nunca fez um ÚNICO comentário sobre este verso, POR QUE não??
Isto é outra parte da decepção que os IASD causam.
Por que Ellen não quis reconhecer que a purificação do Santuário estava no passado ?
A razão é simples, se ela reconhecesse isso estaria destruindo a "doutrina do Santuário" que ela defendia e poderia arranhar a influência de profetiza que ela exercia sobre os IASD.
Todo final de ano os Judeus observam as comemorações de Hanukah, e ao fazerem isso estão contestando a interpretação deturpada dos IASD sobre Daniel 8:14 que pretendem aplicar esse texto a um evento imaginário no qual Jesus começaria a limpar o Santuário em 1844 e iniciaria um “Juízo investigativo” da vida dos santos.
Nesse aspecto a teologia adventista não é o evangelho do novo testamento.
Se você ainda está envolvido por esse engano é sua responsabilidade procurar descobrir a real verdade. Dados históricos estão sendo descobertos a cada dia e livros sérios sobre o período histórico dos gregos, até o ano 64 ac e depois, estão a disposição dos pesquisadores em bibliotecas públicas e em bibliotecas particulares. Muitos autores IASD procuram fazer as mais mirabolantes ginásticas interpretativas para ocultar os fatos históricos documentados. Lembre-se que Jesus nos disse “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”
Texto traduzido e adaptado por Eloy Arraes Vargas com base em texto em Inglês de Robert K. Sanders

Fonte: http://eloyarraes.blogspot.com.br/2013/05/a-historia-da-festa-das-luzes-hanukkah.html

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Ipês de Brasília


(Sabedoria 13,5)Pois é a partir da grandeza e da beleza das criaturas que, por analogia, se conhece o seu autor.





(Eclesiástico 40,22)A graça e a beleza são atraentes para o olhar; mais do que uma e outra é a vegetação dos campos.







(Eclesiástico 43,1)
O firmamento nas alturas é a sua beleza, o aspecto do céu é uma visão de glória.
(Eclesiástico 43,10)O brilho das estrelas faz a beleza do céu; o Senhor ilumina o mundo nas alturas.



Foto extraída do facebook de Raphael Willy Stolte Rouver