domingo, 23 de fevereiro de 2014

A Dor emocional de deixar uma seita

Escrito por Jan Groenveld











Traduzido e adaptado pelo website = http://buscandoverdade.weebly.com/a-dor-emocional-de-deixar-uma-seita.html

O texto a seguir reflete como membros de seitas, cultos e sistemas religiosos espiritualmente abusivos descreveram como eles se sentiram quando finalmente abandonaram seus grupos. Isso é uma amostra da dor que eles passaram, e passam, e da razão pela qual não há respostas fáceis.

Dói descobrir que você foi enganado – que o que você pensava ser a “igreja verdadeira”, a “verdade”, era na realidade uma seita.

Dói quando você descobre que as pessoas em quem você confiava cegamente – a quem você foi ensinado a não questionar - estavam na verdade te “dando uma facada pelas costas” ainda que em ignorância.

Dói quando você descobre que aqueles que foram apresentados como “inimigos” estevam de fato falando a verdade – mas você foi ensinado que eles eram mentirosos, enganadores, repressivos, satânicos, etc e que você não deveria escutá-los.

Dói quando você sabe que a sua fé em Deus não mudou [quem sabe até aumentou] – apenas a sua confiança numa organização – e ainda assim você é acusado de apostasia, de ser um criador de problemas, um “Judas”. E dói ainda mais quando é a sua própria familia e amigos que fazem essas acusações.

Dói ver que o amor e aceitação deles era condicional ao fato de você permanecer membro ativo da organização. Isso corta o coração tão profundamente que você tenta suprimir a dor. Tudo o que você quer é esquecer – mas como esquecer a sua própria família e amigos?

Dói ver os olhares de rancor e ódio vindo daqueles que você ama – escutar o silêncio ensurdecedor quando você tenta falar com eles. Dói profundamente quando você tenta abraçar um filho seu e eles ficam ali parados como uma estátua, fingindo que você não está ali. Dói profundamente quando você vê a sua esposa(o) olhar pra você como se você estivesse endemoniado e ensina os seus filhos a te odiarem.

Dói saber que você precisa começar tudo de novo. Você sente que perdeu tanto tempo! Você se sente traído, desilusionado, suspeitando de todos inclusive da família, amigos e outros ex-membros da organização à qual você pertencia.

Dói quando você se pega sentindo culpa ou vergonha do que você era – inclusive de haver saído. Você se sente deprimido, confuso, sozinho. Você sente que é difícil tomar decisões. Você não sabe o que fazer com o tempo extra que você tem agora – ainda assim você se sente culpado por passar esse tempo em algo recreativo.

Dói quando você sente que perdeu o contato com a realidade. Você se sente como se estivesse “flutuando” e se pergunta se realmente você está melhor assim e sente falta da segurança que tinha em pertencer a uma organização – ainda assim você sabe que não pode voltar pra lá.

Dói quando você se sente sozinho – quando ninguém parece entender o que você está sentindo. Dói quando você se dá conta de que a sua auto-confiança já quase não existe.

Dói quando você vê que deixou tudo por esta seita – sua educação, carreira professional, finanças, tempo e energia – e agora você tem que buscar outro emprego ou recomeçar a sua educação. Como explicar todos esses anos perdidos?

Dói porque você sabe que mesmo que você tenha sido enganado, você é responsável por ter se deixado enganar. Todo aquele tempo perdido… pelo menos isso é o que parece para você, tempo perdido.

A Dor da Perda

Abandonar uma seita/culto é como passar pela perda de um familiar ou amigo querido, ou romper um relacionamento. O sentimento pode ser descrito como uma traição feita por alguém por quem você estava apaixonado. Você se sente simplesmente usado.

Há um processo de luto pelo qual você precisa passar. Ainda que a maioria das pessoas entendem que alguém precisa estar de luto depois da morte de um ser querido, eles acham difícil entender que o mesmo se aplica a uma situação como esta. Não existe cura instantânea para o luto, confusão e dor. Como todo período de luto, só o tempo pode trazer cura.

Alguns se sentem culpados ou errados em quanto a esse sentimento de luto. Não deveriam – é NORMAL. Não é errado se sentir confuso, inseguro, desilusionado, culpado, com raiva, desconfiado – tudo isso faz parte do processo de cura. Com o tempo, os sentimentos negativos são trocados por sentimentos de paz, alegria, claridade de pensamento, confiança.
Sim, dói… mas as dores passarão com o tempo, paciência e compreensão. Existe vida depois da seita.



© 1985, 1995 Jan Groenveld
Copyright © 1995-2010 Cult Awareness and Information Centre


Fonte: http://www.caic.org.au/leaving/ithurts.htm
 

4 comentários:

Anônimo disse...

Olá Irmão Alberto!

Saudações!

Depois de grande ausência, senti o desejo de comentar a matéria: “A Dor emocional de deixar uma seita”, talvez porque senti esta mesma dor e graças a Deus estou livre dela.

Por não saber postar direto no Site, peço que se possível, o irmão faça isto, por mim.

Texto:

De fato, esta dor é emocional e se transforma em alegria, quando descobrimos que ela só acontece com os “escolhidos”, como afirma a passagem abaixo:

Então, sereis atribulados, e vos matarão (a). Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros; levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo. (Mateus 24:9-13).

a) de silenciar, a morte espiritual (mental)

Irmão Maciel.

Francisco A. de Azevedo disse...

Irmão Maciel!

Saudações Cristãs!

Faz parte da verdadeira jornada cristã e ocorre o que Jesus disse Jesus:

"Conhecereis a verdade e a verdade vos libertara"- João 8:32

Hoje estamos livres dos enganos e da manipulação de homens!

Forte Abraço!

Alberto

Bruno Grangeiro Fires disse...

Sair do adventismo e ainda doi muito pois a razão me diz esta certo mais a emoção diz que não e isso é agonizante

Bruno Grangeiro Fires disse...

Sai do Adventismo e as vezes aida doi, a razão me fala que estou certo mais a emoção diz o contrario e isso é agonizante